Yes, I can …

Holanda 1968

Num mercado de livros encontrei uma vez um livro pequeno e fino sobre ioga. Tinha 13 ou 14 anos e nunca ouvi falar disso. Foi escrito em holandês e custou 1 florim. Isso pude pagar. Porquê o comprei? Não fiz ideia.

Uma vez em casa comecei a ler o texto e a estudar as imagens até que, após algumas semanas, até poder fazer o pino. Os anos seguintes passaram com a prática de desporto organizado e pouco ioga. Respirei, isso sim, mas o ioga ficara esquecido. Casei-me com 21 anos, fui dotada com 2 filhos quando tinha 23 e 25 anos e fiz o que sabia. Imitei a minha mãe. Até que não pude praticar desporto por causa dum acidente de esqui. E agora?

Rapidamente novos livros sobre ioga distraíram-me da minha nova limitação. Mais tarde encontrei um estúdio de ioga na minha cidade e no momento em que a lesão foi curada, inscrevi-me para as aulas.

Um mundo de discípulos de Bhagwan Shree Rajneesh, curadores de aura, xamanes criados por si próprios, cantadores de mantras e de meditação abriu-se para mim.

A minha professora de ioga, estudante de Baghwan na Índia, pediu-me regularmente para me encarregar das suas aulas e aconselhou-me a seguir uma formação oficial. E a escola perfeita ficava na minha cidade. Então quando cumpri 32 anos, obtive o diploma. Mas mais importante que o diploma, soube um pouco mais. Depois o meu próprio estúdio de ioga seguiu-se.

Mesmo assim, depois de uns anos, a lesão voltou (em ambos joelhos). O médico prometeu-me um futuro numa cadeira de rodas, um outro médico especialista disse: operar e mais um outro disse a não operar nunca, porque uma lesão deste tipo nunca vai recuperar bem. Não pude subir as escadas, não consegui ir de bicicleta e o pior de tudo, não pude dar aulas.

Dentro de uma semana tive um trabalho normal num escritório. E, sabes onde? Na Associação Holandesa de Esqui. Mas a lesão mantinha-me preocupada. Tal não pode ser verdade? Uma cadeira de rodas? Em silêncio, entre trabalho e família, comecei a meditar. Porque ficar quieta, era algo que eu podia e ao fazer estas meditações pude observar e ver cada vez melhor a mim própria e a minha vida. Dez anos turbulentos passaram no meu interior e na hora do meu 40 aniversário, estava divorciada e os meus joelhos estavam curados.

E porque vos conto isto? Porque encontrei esta foto do ano 1968, recordo esse primeiro livro pequeno sobre ioga e tenho de rir alto comigo mesma, quando vi todos esses livros sobre o funcionamento do cérebro na minha secretária. De uma vez sei porque estou a estudar esses livros.

Só por uma razão: para procurar a prova que eu me curei a mim própria por meditar e usar o poder da mente. Nem mais nem menos. E esta prova científica já está nestes livros.

Acho que sou a prova viva de que a meditação é um meio excelente para mudar a tua vida totalmente. Se o quiseres. Isso é a condição única. Tens de querer mudar de verdade.

Publicado por Liesbeth Steur

Writer and yoga teacher in Portugal

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.

%d bloggers like this: