Além da minha zona de conforto

dsc00043-kopie.jpg

[English] [Nederlands]

Com 7 participantes, o Retiro de Tai Chi Chuan de 4 dias foi um evento intensivo. O programa estava cheio desde o início da manhã até tarde da noite. Em suma, os dias pareciam assim: às 8:00 horas de manha meditação, depois pequeno almoço e depois treinamento de Taiji, almoço, Wudang yoga, palestras, jantar, meditação, dormir.

IMG_2468 kopie

As sessões do treinamento intensivo de Taiji por algumas horas seguidas tiveram lugar na natureza deslumbrante de ambos os lados da fronteira entre Portugal e Espanha. Por isso, ainda era possível ter um vislumbre dessa impressionante Parque Natural. Claro que o castelo de Marvão foi visitado durante o único dia chuvoso e especialmente nublado. Isso fez a aparência misteriosa da fortaleza completa.

Wudang yoga é um importante bloco de construção para a boa execução da forma do Taiji. Eu sinto isso como um treino difícil, embora ser professora de hatha-yoga. Durante as aulas de Wudang yoga, estou completamente removido da minha zona de conforto e isso às vezes evoca resistência. Eu acho que é um treino difícil que me faz muito bem!

IMG_2478 kopie

O professor Rene Goris é um Wudang Daoist de 15ª geração e também é conhecido pelo nome You Li-Ou, PhD. Rene falou extensivamente sobre o taoísmo, as suas experiências nos monastérios nas Montanhas Wudang na China, os cinco elementos (que na verdade não existem como tais), nutrição e muito mais. Nós poderíamos fazer todas as perguntas e as respostas eram abundantes.

Aprendi sobre meditação, o que isso significa exatamente, por que devemos fazê-lo e como funciona exatamente nas olhos do professor. Desenvolver afinidade por tudo e por todos neste mundo é a meditação mais importante a ser feita. Quando tu sentes resistência, fique quieto, até que se torne em afinidade.

IMG_2519 kopie

O retiro foi um sucesso, em parte devido à deliciosa comida vegetariana que Tânia Martins preparou para nós duas vezes por dia. Descubra um talento!

O próximo retiro ocorrerá na segunda semana de maio de 2019. A data exata será anunciada em breve e, em seguida, o registo estará aberto.

O significado da existência

img_2514.jpg

[English]  [Nederlands]

Durante anos, houve uma coluna recortada no meu arquivo de recorte. Bem na frente. Nenhum corte recebeu um lugar maior do que este escrito. Cada vez leio-o como se fosse novo e cada vez concordo plenamente com o que diz. A coluna do escritor holandês Arnon Grunberg foi publicada no 24 de fevereiro de 2015. Ele escreveu ou todavia escreve (não sei) uma coluna semanal no guia de televisão do VPRO sob o título Yasha. E eu só cortei e salvei este coluna.

Hoje a coluna passou pelas minhas mãos novamente e novamente me perguntei: Deveria salvar? Vou guardar-a e compartilhar o texto contigo. Por se em caso não leste-a nos dias, e porque isso me faz pensar de novo e novo.

Fraqueza

Eu associo doença com fraqueza e fraqueza deve ser evitada. Em teoria, tenho a mente aberta e posso tolerar tudo, mas, na prática, estremeço por doença e fraqueza, especialmente quando chegam perto demais. Com isso quero dizer que estremeço pela minha própria fraqueza, embora também acho que a fraqueza de outras pessoas seja estremecida quando sou confrontada de perto.
Isso provavelmente pode ser explicado psicologicamente. A minha mãe tinha pouca ou nenhuma compaixão se os seus filhos estivessem doentes, ela tinha uma tendência a censurá-lhes em caso de doença: ‘Por que tu saíste de casa sem lenço, como te avisei.’ E do leito do meu pai lembro-me que ela repetia: ‘Como tu pudeste fazer isso connosco?’
Essa explicação psicológica é fácil demais e bonita demais. Tudo se encaixa e quando tudo se encaixa, a realidade é prejudicada. Muito pode ser dito sobre essa realidade, mas um enigma resolvido não é essa realidade.
Para mim, a fraqueza começa com um resfriado. Uma das minhas missões é não pegar um resfriado. Não é que engulo todos os tipos de remédios homeopáticos ou exagero com vitamina C, controlo a constipação com força de vontade.
Quando não consigo, sinto isso como uma derrota pessoal. Uma forma de falha. Estar doente, mesmo que seja apenas um resfriado, é uma forma de culpa. A doença é a prova tangível da culpa, mesmo que a culpa é de não cuidar-te suficiente.
Por isso raramente visito médicos, porque em princípio não estou doente. Geralmente só quando preciso de vacinas para viajar para áreas exóticas.
Pode-se ver o medo da morte em tudo isso – um medo que podes ver em quase tudo -, mas essa explicação parece muito simples para mim.
Eu diria assim: o trabalho é a justificação da minha existência. Se estou doente, não posso trabalhar ou trabalhar menos e esta justificação caduca.
Não temo tanto a morte como o ponto em que ainda existo sem poder justificar essa existência.

Arnon Grunberg

Talvez tu agora queiras levantar todos os tipos de objeções sobre, por exemplo, que não pode fazer nada contra uma doença incurável. Esse não é o ponto aqui, eu acho. Me refiro aqui mais ao todo. Se eu leio com a minha visão ampla, então não através dum túnel, o mensagem é correto para mim.

Todas as palavras se encaixam na minha imagem sobre o significado da existência. E o significado é ser uma contribuição para a sociedade. Se escreves livros ou fazes outra coisa, tu sempre podes ser uma contribuição.

Espero milagres

chris-ensey-87456-unsplash
Photo by Chris Ensey on Unsplash

[English]  [Nederlands]

O Satsang de hoje, domingo 18 de novembro foi bom! Meditamos e falamos de assuntos diferentes.

A MENTE
Com toda aquela chuva lá fora, era aconchegante estar em casa. Em paz e sossego, fizemos exercícios para meditar, concentrando-nos e percebendo os pensamentos aleatórios que, inconscientemente, nos levam a outros pensamentos. Tu podes investigar esse fluxo de pensamento ou pensamento que o desequilibra fazendo três perguntas:

  1. Este pensamento é sobre algo que está realmente presente no aqui e agora?
    Isso é bom, amoroso e compassivo?
  2. Isso é necessário? É essencial para a felicidade ou alegria do homem e do planeta e é necessário para minha sobrevivência?
  3. Tenho certeza que tu responderá 3 vezes não. A realidade é sempre mais amigável do que qualquer pensamento ou crença. E se respondeste 3 vezes não, sabes que viu uma mentira pela verdade.

VER O BEM EM TUDO
Nós conversamos sobre como treinar a mente para ver o bem em tudo. O fato de que alcançar o objetivo maior (ser otimista) sempre começa com o primeiro passo às vezes é difícil de aceitar. Porque algumas pessoas acham que vai demorar séculos. Eles dizem: solte e siga em frente! Eu não acho que funciona assim. Uma pessoa pode dizer: “Deixo esse velho hábito pelo que é, paro de fazer isso”. Mas dizer e fazer são duas coisas.

Desprender ativamente um hábito antigo é impossível. Esse velho hábito é um músculo muito bem treinado no teu cérebro. Somente aprendendo um novo hábito (nova conexão no cérebro, treinando esse novo músculo) o velho músculo pode relaxar e desaparecer. E só então quando és tão disciplinado para não voltar ao velho hábito.

MILAGRES
Fé em milagres foi outro assunto. O que é um milagre? Um diz que é um favor de Deus, o outro diz que tem a ver com a lei da atração. E ainda outra pessoa diz que é sobrenatural e, portanto, não pode acreditar em milagres. Embora esse mesmo participante acredite na lei da atração, mas não vê a conexão. Para evitar mal-entendidos neste mundo, é importante definir o significado duma palavra.

Acho que podemos e devemos esperar milagres. Se tens um desejo – um desejo com coração e alma – podes tê-lo materializado. No entanto, é importante desejar algo positivo. Então dizendo que não queres algo, isso funciona contra ti. Na minha opinião, o resultado do desejo é o milagre. Porque um milagre sempre acontece inesperadamente. Existem algumas condições para trazer milagres.

  1. Tu deves ter a vontade de mudar.
  2. Rendas-te ao desconhecido – permitindo-te ser liderado – é autoevidente.
  3. Perdoes tudo e todos e quero dizer tudo e todos.
  4. Esperas milagres.

Que maravilhosa manhã de domingo foi e continuamos praticar 🙂

Obrigada por estar presente.