Todo sorriso …

Photo by Wilhelm Gunkel on Unsplash

[English] [Dutch]

Quando pego um saquinho de chá da marca Yogi Tea, há sabedoria no rótulo. Tomo chá Yogi há anos e nem sempre encontro o mesmo ditado. Normalmente leio em voz alta o que diz e penso: sim, de fato e agora! Volto então às preocupações do dia-a-dia. A minha família, às vezes, tira sarro dos provérbios. Um dia, pensei em investigar a utilidade desses ditos. Porque se todos ignorarem a sabedoria dos saquinhos de chá, todas essas marcas – suspeito que Pickwick tem algo parecido na Holanda – podem simplesmente parar. Porque, o que essas pessoas de marketing querem dizer com isso? Provavelmente não é o caso de mais chá ser vendido por causa dos rótulos de sabedoria. Ou deveria trazer o bebedor de chá para descansar, para si mesmo? Acho que o fã de chá deve ter pelo menos essa ideia.

Every smile is a direct achievement

Traduzido livremente: todo sorriso é uma obra de arte direta ou instantânea.

É verdade? Essa é sempre a primeira pergunta que surge em minha mente.

Existem duas maneiras de sorrir. Aquele que vem do coração não precisa de explicação e um para se sentir melhor enrolando os cantos da boca e mantendo-o por um tempo. Por fim, o sorriso interior pode aparecer exatamente assim. Fake it til you make it– Finja até conseguir.

Nas minhas aulas de yoga, costumo mencionar o sorriso. Acho que um sorriso é importante. Às vezes, os participantes parecem tão agitados e sérios que posso ter a impressão de que estão praticando yoga contra a sua vontade. Mas sei melhor. Eles fazem um esforço para se concentrar. Como nunca fomos ensinados a nos concentrar em nosso mundo interior e somente no mundo exterior, é extremamente difícil. E agora que estamos viver na era dos smart phones e embarcando nos  socials– meios sociais, esse pouco poder de foco diminui como a neve ao sol.

Sabes o que acontece quando conscientemente sorri?

Os teus olhos relaxam, tuas mandíbulas, tua língua, teu pescoço e sim até o teu cóccix. Não inventei isso. Investigação científica foi feita. E, quando pratica e consegue manter a sua atenção, pode experimentar como o relaxamento entra no seu corpo.

Portanto, um sorriso é uma obra de arte instantânea que não apenas se diverte – como criador – mas também os seus próximos. Porque é mais agradável olhar para alguém cujos olhos e boca estão sorrindo do que para uma testa franzida, olhos que não conseguem mais piscar devido ao estrese e aos maxilares tensos? Além disso, um sorriso geralmente convida a um sorriso.Então, sim, é uma obra de arte com efeito direto. Resultado instantâneo. Para ti e o mundo ao teu redor.

Satsang Sunday – Domingo

Photo by Dorota Dylka on Unsplash

[English]

Hoje, o domingo 9 de fevereiro foi o primeiro Satsang deste ano. Com 10 participantes, iniciei uma nova jornada para treinar a concentração e alcançar um estado de meditação.

Somos treinados desde o nascimento para atender quase exclusivamente ao mundo externo. Desenvolvemos o hábito de virar a nossa mente para fora e permitir que nossa atenção seja direcionada por nossos sentidos. Portanto, é natural que, quando nos sentamos para meditar, nossa mente vagueie, atraída por estímulos sensoriais ou por memórias de experiências sensoriais passadas.

Para alcançar o estado de meditação, precisamos ser capazes de nos concentrar em uma coisa. Precisamos de uma mente uni direcionada. Treinamos para ser o mestre de nossa consciência.

Uma mente uni-direcionada ou ser mestre da consciência tem ao mínimo 2 benefícios: 

  1. A mente se torna uni direcionada. Tu aumentas a tua capacidade de concentração. Uma mente uni direcional é útil em todas as áreas da vida, mas é indispensável na jornada em direção à auto-compreensão.
  2. Ele muda a direção da tua atenção para dentro. Para o yoga e muitas outras áreas da vida, precisas mudar a mente para dentro.

Na meditação, o praticante se torna uma testemunha dos seus pensamentos e desenvolve a consciência do processo de pensamento.

Meu objetivo era levar o corpo e a mente a um relaxamento tão profundo que pudesse cultivar a consciência, observando e acolhendo o que estivesse presente sem julgamento.

Outro resultado é que talvez possa explorar uma sensação subjacente de paz naquele espaçoso vazio onde tudo é.

Começamos com posturas simples de yoga para fundamentar e tomar consciência de todo o corpo.

Em segundo lugar, fizemos uma versão curta do Yoga Nidra, uma técnica de relaxamento profundo e talvez uma forma de meditação. Esse sono yogue é um estado entre dormir e acordar. Renova o corpo e a consciência. Promove profundo descanso e relaxamento e expande a autoconsciência. É uma forma de relaxamento guiado.

Depois, sentamos para meditar. Por 20 minutos, a respiração foi nosso ponto de concentração enquanto permanecíamos conscientes do processo de pensamento.

Durante o chá com doces, todos lentamente voltamos às nossas vidas. O feedback foi interessante. Alguns pensaram que a parte da meditação era demais. A sessão sentado com as costas retas provocou alguma distração. Outros tiveram ótimas experiências nas três etapas.

Espero que todos os praticantes continuem treinando a sua consciência no dia-a-dia. Apenas esteja consciente de vez em quando para onde vai a tua consciência. O que estás a pensar? Ali, com o pensamento, estão a tua consciência e tua energia. Pergunte a ti mesmo: quero estar lá? Sim? Então lide com isso. Não? Traga a tua consciência de volta para onde queres que seja e lide com o pensamento mais tarde.

Tu és o mestre da tua consciência.

Muito obrigada aos participantes e o próximo Satsang será no domingo, 8 de março de 2020, das 10: 00-12: 00 horas.

Podes te inscrever.

Tábua rasa

[For English or Dutch click on the language]

Lentamente, abro a porta do estúdio. Entreaberta.  Eu coloco a minha cabeça na esquina. Sim, está quente. Cada vez isso é um momento de tensão. Programei o ar condicionado no dia anterior e não há garantia de que o dispositivo faça o que eu quero. Às vezes a energia diminuía, às vezes eu não pressionei o botão de programação corretamente ou de repente o sinal de floco de neve está ligado em vez do sinal de sol (também minha culpa). A propósito, acho isso confuso. O sol pertence ao verão, por isso deve dar ar frio e um floco de neve pertence ao inverno, por isso deve dar ar quente. E sabes, é o contrário. A minha lógica não é a dos desenhadores de controle remoto de ar condicionado.

Abrir essa porta continua sendo um momento importante, porque o início das aulas de yoga depende da temperatura na sala. Os alunos se comportam de maneira diferente – embora os portugueses não tenham problemas com edifícios gelados. É normal para eles que prédios e casas estejam muito frios no inverno. Este Ninho de Empresas onde o meu estúdio está instalado não possui isolamento e isso torna a temperatura externa tangível por dentro. Embora tenha sido agradável esta manhã, comecei devagar. Depois de três semanas de folga, o Natal, o Ano Novo e os Três Reis (ainda uma grande festa aqui), parecia sensato para o nosso corpo.

O influxo – sempre uma surpresa – foi bom. Embora muitos estejam registados, isso não garante que estejam lá. Esta manhã estava cheio no pequeno estúdio. Cabia precisamente. Começo do ano, certo. Boas intenções. Fico sempre surpreso como o Ano Novo evoca as pessoas a mudarem. Então havia algo de que eles não estavam satisfeitos; algo com que não lidaram. Eles podem se sentir culpados ou querer atender às expectativas de outras pessoas. Eu não sei.

Um novo ano oferece uma nova visão da vida; um futuro aberto. Uma tábua rasa. E essa transição de 31 de dezembro a 1º de janeiro facilita a primeira etapa ou a limpeza da lousa. De repente tenho que pensar sobre isso. Como isso é possível? Por que é mais fácil fazer alterações em 1º de janeiro do que em 6 de julho, por exemplo? Não é cada dia um dia novo? Assim que o sol nasce, o dia é novo e há uma nova visão. Não precisa de 1º de janeiro para isso.

A minha vista diária está na foto. Uma lousa com um céu azul sem fim que vejo quando estou em pé debaixo do pinheiro em frente à minha casa. Olho para cima e sei que posso dar cor ao dia ou esperar o que está por vir. Não posso fazer nada ou muito e, enquanto isso, manter contato com o céu azul limpo; durante todo o dia, durante todas as atividades. Isso coloca todas as minhas ações, todas as palavras que falo em perspectiva, e é assim que eu mantenho a minha tábua rasa. Todo dia.

Satsang – Meditação no Domingo

victor-BiGS_w9t7FU-unsplash
Victor at Unsplash.com

[English]

Eu tenho duas questões para ti:

1. Por que queres aprender a meditar?
2. Quanto desejas aprender a meditar?

A meditação é uma ciência e uma forma de arte que requer disciplina e comprometimento. Sem disciplina, nunca alcançarás o ponto de concentração, muito menos o ponto de meditação.

Meditação é uma concentração de toda a energia num ponto de foco.

A razão pela qual persigo apreender a meditar é:
Criar a vida que desejo e experimentar estados mais elevados de consciência.

Amor, disciplina e felicidade
O amor dá origem à disciplina da concentração. Quando amas alguma coisa, queres passar mais tempo com a coisa. Desenvolva força de vontade para disciplinar a tua vida, para que possas ter mais tempo com o que amas. Desenvolves a concentração para experimentar mais do que amas duma maneira mais profunda. O subproduto de experimentar o que amas plenamente é o sentimento de felicidade.

Não busque a felicidade; em vez disso, crie um estilo de vida em que o subproduto desse estilo de vida resulte numa sensação de felicidade.

Dever de casa:

Sente-se com as costas retas.
Feche os olhos e expire até o ar acabar.
Inspire devagar e com cuidado e encha-se de ar.
Expire até ficar vazio.
Repita esse modo de respirar 10 vezes.

Profundo – Lento – Uniformemente.

Agora, deixe o corpo respirar de maneira natural.

Fique quieto.

Um pensamento aparece.
Começaste a pensar em alguma coisa.
Observa-te.

Pensar é mecânico.

Apanha o pensamento.

E espire …

Como se estivesses respirando o pensamento fora de ti.

Faça isso por 5 a 10 minutos, 5 dias por semana.

Até o próximo Satsang, no domingo, 12 de janeiro de 2020.

Com amor, Liesbeth

Eventos fim do ano

[English]

Vamos ter QUATRO eventos distintos no estudio! Todos eventos são para criar mais tranquilidade e harmonia na sua vida. Se quer mais informações, contate-me.

Concerto Viagem Sonora por Trio Triboleta
Marc Drost, Maria Petersen, Ricardo Townsend
Melodias e canto harmónica

Triboleta Attic

Quando: Sábado, 16 Novembro 2019 | 19:00-21:00 horas
Custo: 5€ (regista por favor; vagas limitadas)
Registro: Marc Drost | 965 677 697

Música é vibração com estrutura. Ela interage com a nossa estrutura interna permitindo transformação.
Quando nos envolvemos em situações guiadas pela criatividade, estamos a permitir ao nosso Ser inspirar-se com novas perspectivas, emoções, pensamentos, sons, cores, etc. Ficamos mais ricos e harmonizados.

Neste concerto, o nosso objectivo é criar “boas vibrações”, de forma a gerar um ambiente de meditação e expansão da percepção. Através da conexão com o som, improvisamos com vozes – melodias e canto harmónico – tambores, percussões, flautas de bambu, taças tibetanas e outros instrumentos mágicos, convidando-te a um mergulho profundo.

Nota: poderás ficar deitado durante a viagem sonora. Traz o que necessitares para estar cómodo. Há tapetes de yoga no estúdio mas podes levar o teu se preferires, manta quente, meias e roupa confortável.

Triboleta é a união de Maria Petersen, Ricardo Townsend e Marc Drost, que se direcionam na criação de viagens sonoras para complementar cerimónias, yoga, contacto improvisação e outras experiências de movimento. Também organizam rituais e círculos de som, onde as pessoas são convidadas a coceira e explorar o som a partir da sua individualidade à união colectiva.

Yoga para restaurar por Heidi Dyer
Restaura e regenera todo o organismo

dfe940_5e7042c88b214b4389369aec80a7e8a1~mv2

Quando: Domingo, 24 novembro 2019 | 10:00-11:30 horas
Custo: 7€
Registro: Heidi Dyer | 917 909 631

Vivemos tempos acelerados e a prática de yoga restaurador convida a espaço, reflexão e relaxamento profundo. É um método terapêutico que busca relaxar o físico, o mental e o emocional. O yoga restaurador utiliza materiais a facilitar as posturas, deixando-o confortável e é apropriado para iniciantes.

Alguns benefícios:

Restaura e regenera todo o organismo
Acalma a mente e traz clareza
Desenvolve concentração e consciência de si mesmo
Reduz a ansiedade
Aumenta a vitalidade
Auxiliar o sistema imunológico

Curasom Crystal em Marvão por Jose-Carluz
Terapia Pyramidal 5°, 6°, 7° Chakras

Curasom Crystal

Quando: Domingo, 01 dezembro 2019 | 15:30 – 17:30 horas
Custo: 15€ (regista por favor; vagas limitadas)
Registro: Liesbeth Steur | 967 421 914

Numa envolvência sonora e vibracional, os participantes confortavelmente deitados com uma pirâmide exposta no corpo, recebem um fluxo energético de cura pelo som cristal com energia piramidal. Após um determinado tempo deitados ou no final, ao seu ritmo, sentam e colocam a pirâmide no chakra coronário.

Esta sessão é a última de três distintas que além de elevarem a saúde, potenciam a elevação vibracional, promovendo uma vida mais consciente e plena de acordo com a nossa Natureza Essencial.

Informação & registar & pagar:

Registar com Yoga Studio Marvão, Liesbeth Steur – telefone: 967 421 914 ou yoga@liesbethsteur.com

Devido a limitação de lugares e questões essenciais de organização do evento, o pagamento da inscrição deve ser efectuado dia 29 de Novembro.

Podes pagar assim:

  1. Pagar em dinheiro (Liesbeth)
  2. Transferência bancaria: IBAN PT50 0035 0228 0001 4149 9002 6 (ao nome de Coen Verharen)

Por favor, manda-nos uma mensagem para verificarmos o pagamento e reservarmos o teu lugar.

O que levar?

Chegada: 15 minutos mais cedo para se acomodarem tranquilamente.
Cada participante deve trazer roupa confortável, 2 almofadas e uma manta.

 

Convidar a Luz: Celebração do Solstício de Inverno
por Heidi Dyer
Yoga, Meditação guiada, Ritual

freestocks-org-YXyTlLrSVs0-unsplash.jpg

Quando: Domingo, 22 dezembro 2019 | 15:30 – 18:00 horas
Custo: 5€ + um pequeno presente / oferta para troca (até o valor de 5,00)
Registro: Heidi Dyer | 917 909 631 (regista por favor; vagas limitadas)

O solstício de inverno ou a noite mais longa do ano marca o início de nossa subida para dias mais brilhante pela frente. Junte-se a mim para celebrar essa transição com yoga, meditação guiada, ritual e avançar para o novo ano com clareza e intenção.

Todos os materiais (incluindo tapetes de yoga) serão forneceu. Vista roupas confortáveis e chegue de 5 a 10 minutos antes do início do workshop.

 *Você pode trazer um item simbólico para criar um altar para a celebração.

 

Shinrin Yoku – Banho na Floresta

IMG_20190831_124828.jpg

[English]

Já ouviu falar disso? A arte japonesa do Banho na Floresta? Emergir em uma floresta para relaxar profundamente e melhorar a saúde.

Vivendo no interior do Alentejo, podemos pensar que emergimos na natureza o tempo todo. Pelo menos pensava que estava, até tomar banho na floresta com TerraFazBem, de Maria Sousa e Jorge Maia. Vim morar aqui para estar na natureza e viver com a natureza o tempo todo. Onde quer que esteja no Alentejo e onde quer que olhe, toda a natureza me rodeia. Faço longas caminhadas em áreas remotas da Serra de São Mamede, ouço os pássaros como amador e sempre me sinto renovado ao voltar para casa. Então, por que diabos deveria tomar banho na floresta? Bem, depois de ler um livro sobre essa arte japonesa e ouvir Jorge e Maria, reservei e fui junto. Sem preconceitos e sim com a mente aberta.

Agora – depois duma tarde com Maria e Jorge – sei que a minha maneira de conectar está bem e que há camadas nela. É sempre bom estar na natureza e a caminhada de 3 horas que fizemos foi profunda e um abridor de olhos e sentidos. Eu nunca soube que um ser humano está tão intimamente ligado à natureza – nós somos um – como nesta experiência.

Isso mudou a maneira como observo, vejo, ouço, cheirei, gosto e sinto sobre todas as coisas da vida.

Shinrin Yoku, que significa Banho de Floresta ou Terapia Florestal, é exercido no Japão há mais de algumas décadas. Enquanto isso, é cientificamente comprovado que a natureza tem um poder de cura. Todos sabemos que as árvores produzem ar, que a caminhada relaxa e que toda estação é encantadora.

O professor japonês Yoshifumi Miyazaki é professor da universidade e pesquisador e vice-presidente do Centro de Meio Ambiente, Saúde e Ciências de Campo da Universidade de Chiba. Ele escreveu vários livros sobre o assunto sobre os efeitos e vantagens da terapia florestal.

Jorge é licenciado como terapeuta neste campo e as capacidades de Maria, que é ela própria terapeuta e uma mulher extremamente “iluminada”, somam uma experiência profunda.

Sempre que sentir vontade de ter uma nova experiência que possa esclarecer mais sobre por que está fazendo o que em sua vida, sobre o seu estado de consciência, posso realmente recomendar um Banho na Floresta. Mais um passo em frente na direcção de uma boa ou melhor Vida.

Eu amei! Vá em frente!

O próxima banho é domingo dia 17 de novembro. Faz a reserva já!

Banhos de floresta_ back.jpg