A meditação vipassana

mattia-faloretti-709077-unsplash
Photo by Mattia Faloretti on Unsplash.com

[English] [Nederlands]

No domingo passado iniciei uma nova série de aulas de meditação. Nove participantes estavam presentes e, para eles, quero explicar novamente o que estamos realmente a fazer durante a meditação. E quem sabe, também atrai tu. Estás muito bem vindo para te juntar a nós. As datas estão no site.

Existem muitas histórias sobre o Buda. Como nasceu príncipe com uma colher de prata na boca e que estava curioso para saber o que estava a acontecer fora dos muros da propriedade de sua família. Então, foi embora. Lá, no mundo exterior, se encontrou com a vida real.

Por um tempo o Buda viveu essa vida por completo. Como não conseguia encontrar a felicidade em todos os excessos mundanos, viu a complexidade da vida e foi à procura do segredo da vida estável, agradável e pacífica.

O Buda identificou sete estados mentais – anusayas – que quase sempre levam a infelicidade ou insatisfação.

1. desejo sensorial
2. desejo de manifestar-se
3. agressão, ódio, raiva
4. orgulho, sentir-se melhor (ou menos) de que os outros
5. entendimento incorreto da realidade
6. dúvida, incerteza
7. ignorância ou falta de senso de realidade, inconsciência.

A causa mais profunda dos anusayas é a ignorância. Sobretudo a inconsciência e a interpretação descuidada do que acontece em nós, garante que os anusayas tenham a oportunidade de se manifestar e, então, não lidamos numa maneira sábia com essas emoções, pensamentos e sentimentos.

Essa ignorância nos leva a afeiçoarmos aos pensamentos e sentimentos agradáveis. Permitirmos ser distraídos por tudo (social media, por exemplo) e construímos resistência ao que é desagradável. Escondemos o desagradável em algum lugar distante do nosso corpo e cada vez ligarmos mais ao mundo exterior.

Como se o mundo exterior fosse uma droga que pudesse entorpecer os nossos sentimentos desagradáveis.

Estamos cada vez mais com medo de perder o que temos, ou pior, temos medo de não conseguir ter o que queremos.

O Buda andou muitos caminhos e num dia o segredo se apresentou. Acabou a ser simples e para todos aprenderem.

Desenvolver a consciência.

A consciência traz a percepção e leva à aceitação da vida como se apresenta.

O Buda descreve duas maneiras de alcançar essa percepção.

1. Samatha-yānika: desenvolver a consciência baseada na meditação da calma.
2. Suddha-vipassanā-yānika: o desenvolvimento direto da consciência.

A primeira maneira – a meditação da calma – é muito adequada para as pessoas que têm tempo de se afastar da sociedade. Treinar formas profundas de concentração (isto é a meditação da calma) requer muito tempo e uma longa estadia em reclusão.

A segunda maneira é para pessoas como tu e eu. Estamos no centro da sociedade, vivemos uma vida agitada e ainda queremos desenvolver essa consciência para alcançar à percepção, com o resultado, a liberdade interior. Naturalmente, a concentração também se desenvolve ao longo dessa rota; apenas duma forma mais leve do que com o primeiro caminho.

Assim que começar a usar o vipassana, o aplicarás imediatamente na tua vida diária. Pois, no vipassana observas e registas o que está a acontecer no teu corpo e na tua mente. Assim, todas as experiências mentais e físicas diárias são usadas como objeto de meditação.

Podes considerar a vipassana ou a meditação da percepção, uma terapia de vida. Quer dizer que tem um efeito purificador e curativo no nosso carácter e nos fornece duma visão intuitiva da nossa vida temporal e incontrolável. Aprendemos a lidar melhor com os bloqueios e problemas e a desenvolver estabilidade ao lidar com as experiências do dia a dia.

New kid on the block

IMG_2814
Heidi Dyer a dar o workshop Chakra Balancing

[Nederlands]  [English]

A quantidade de participantes que vem ao meu estúdio de yoga está acima das expectativas. Quando cheguei aqui em Marvão em 2016, não tinha planos para um novo estúdio. No entanto, veio à existência, apesar da minha relutância. Na verdade, eu tive essa resistência contra a obrigação de dar aulas semanais novamente. Agora, dois anos depois, estou feliz em dar quatro aulas por semana e as oficinas necessárias entre elas.

Ainda sou grato a Leone Holzhaus por me pedir repetidamente para começar a ensinar novamente. Então eu pensei: uma aula por semana, ok, isso pode ser. Agora tenho um estúdio totalmente mobiliado e muitos participantes. A vida é cheia de surpresas.

O meu círculo de amigos está crescendo rápido e a boa notícia é que cerca de 85% dos participantes são portugueses. Eu realmente amo fazer o meu trabalho e continuo em boa forma.

O mercado é maior que quatro aulas por semana. Eu não farei mais do que faço agora. E então, de repente, Heidi Dyer apareceu no meu caminho. Fresco dos EUA e apenas se estabeleceu aqui. Heidi também é professora de yoga. Ela ensina Yin Yoga e Yoga Restaurativa. Além disso, ela foi treinada como massagista terapêutica. Heidi veio para minhas aulas no verão passado e ficou. Agora ela usa o meu estúdio às quartas-feiras e tem a possibilidade de construir a sua própria prática. Massagens à tarde de quarta-feira e aulas noturnas.

No quarto domingo do mês, Heidi organiza uma oficina com um assunto especial. No domingo passado – a primeira vez e a turma estava cheia com 10 participantes inclusive eu – treinamos por duas horas em profundidade o relaxamento (yoga restaurativa) e o equilíbrio dos chakras. Heidi já faz isso parcialmente em português. Mulher forte! Começar uma nova vida por conta própria num novo país! O workshop foi um grande sucesso. Quarta-feira à noite, ela repetirá o workshop para as pessoas que não se encaixaram no último domingo.

Que enriquecimento para o Yoga Studio Marvão. A região se beneficiará dessa crescente comunidade de pessoas bem-educadas e experientes.

A sinergia (1 + 1 = 3) pode ser sentida. Hoje de manhã, depois da aula de yoga, estávamos no bar do Ninho de Empresas de Marvão onde o estúdio está localizado, bebendo café ao sol com vários participantes e todos concordamos que estamos indo muito bem. Todos juntos. E essa é a única coisa que conta na vida. Acho eu.

Saúde não é algo que tens …

photo-1545183387-50fea397256e

[English]

Saúde não é algo que tens, é algo que fazes. Essa frase é de Rene Goris, o meu Mestre de Taijiquan. Mas essa frase também faz parte da minha vida. Ao estudar e treinar vários programas de saúde, como yoga e Taijiquan, busco a “imortalidade”. Eu estou sempre a trabalhar no desenvolvimento de mim mesmo.

Eu sei que parar aprender não é apenas um declínio, mas, em última análise, significa o morte. Parar é como não respirar … conheces as consequências.

Com o Yoga Studio Marvão, ofereço diferentes maneiras de obter consciência e saúde e de continuar aprender. Também convido no meu estúdio outros professores / especialistas para compartilhar os seus conhecimentos. Porque o Yoga Studio Marvão é para professores e alunos que querem continuar a aprender.

Heidi Dyer é uma professora de yoga que recentemente veio morar na nossa região. Ela é uma professora americana de Yin Yoga e Yoga Restaurativa que se apaixonou por Portugal e especialmente pela nossa região. Heidi também é coach de vida, professora de dança e terapeuta de massagem, especializada em tecidos profundos e relaxamento profundo.

Desde o dia 6 de fevereiro de 2019, entre as 14:00 e as 18:00 horas, Heidi terá a sua prática semanal de terapia na quarta-feira no Yoga Studio Marvão.

Tu podes marcar uma consulta entrando em contato diretamente com ela. Telefone: 917 909 631. Heidi está a estudar o português e por enquanto se serve também do inglês. Quando envias uma mensagem para ela em português, ela entende isso com certeza.

Ao lado da sua prática de terapia na tarde de quarta-feira, Heidi dará um workshop de duas horas nos últimos domingos do mês (início em 24 de fevereiro com um workshop de equilibrar as chakras).

Eu posso recomendar vivamente que marque uma consulta com ela ou/e participe no workshop!

Beijinho, Liesbeth

Um novo ano, um novo impulso

alexandre-chambon-28720-unsplash.jpg

[English]

Desejo-te um espantoso e feliz Ano Novo!

Tu tens boas intenções para 2019?

Desejas fazer uma série de coisas de forma diferente ou parar de fazê-las ou fazer algo completamente novo?

Sabes que esses impulsos perdem força rapidamente; às vezes até tão rápido que paras de criar novas intenções. Caso contrário, podes ficar desapontado contigo mesmo.

Novos impulsos são difíceis de manter devido a um processo biológico no teu cérebro. Portanto, não é totalmente a tua culpa.

Funciona assim:

Quando queres aprender algo novo, tudo começa a trabalhar na tua cabeça. Uma nova conexão cerebral é feita. Compare isso com um músculo do teu corpo. Uma vez que comeces com o teu novo hábito, curso ou o que for, começas a treinar esse músculo. Então, quanto mais usas esse músculo, mais forte ele se torna. Uma vez que a conexão cerebral/músculo se tornou dominante, as antigas conexões cerebrais desaparecem. Então esse velho hábito desaparece lentamente. O músculo fica fraco.

A força de vontade e a disciplina são importantes para alcançar o seu objetivo, treinar o novo músculo. Tens tudo nas tuas próprias mãos. Podes de fato mudar tudo. Não precisas de ninguém para isso ou qualquer dinheiro.

Quer parar de fumar ou praticar yoga todas as semanas, tudo depende da rua vontade de mudar. Pergunte a ti mesmo se tu realmente queres mudar, por dentro. Qual é a importância para ti?

2019 é mais um ano de verdade. Ser honesto e sincero contigo mesmo é essencial para passar este ano e também ter tempo para ficar quieto. Não subestime o efeito positivo na tua vida.

Na próxima semana as lições começarão de novo.

Adoro treinar com vocês e ficar quieto e espero receber todos de novo. As manhãs de meditação começam também, nos segundos domingos do mês. Todas as datas podem ser encontradas abaixo.

Espero ver-te novamente na próxima semana.

As aulas de yoga começam na terça-feira, 8 de janeiro de 2019
Semanal: terças e quintas feiras às 10:00 horas e 19:00 horas.

Reuniões de meditação – Satsangs
Nao segundos domingos do mês.
Domingo, 13 de janeiro de 2019

Aprecio se me deixar saber se estás lá. De preferência por e-mail.

Beijinho!

Yoga dezembro/december 2018

brigitte-tohm-162814-unsplash
Photo by Brigitte Tohm at Unsplash.com

Te ofrece mais umas aulas em dezembro para treinar como manter-te bem este mês! O estúdio de yoga fica aberto em dezembro nas datas seguintes. Esteja muito bem vindo a participar nas aulas.

I offer a few more classes in December to train and keep your cool this month! The yoga studio will remain open in December on the following dates. So you are more than welcome to participate in the classes.

3a feira / Tuesday:      04-12-2018 – 10:00h e 19:00h

5a feira / Thursday:  06-12-2018 – 10:00h e 19:00h

3a feira / Tuesday:     11-12-2018 – 10:00h e 19:00h

5a feira / Thursday: 13-12-2018 – 10:00h e 19:00h

3a feira / Tuesday:     18-12-2018 – 10:00h e 19:00h

Uma das terças feiras é a aula de recuperação da aula do 27/11/2018 por causa do Retiro do Tai Chi Chuan.

One Tuesday class is to catch up with the cancelled class of Tuesday 27/11/2018 due to the Taiji Retreat.

A tua contribuição em dezembro será / Your contribution for December will be:

Uma aula por semana / One class per week: € 10.

Duas aulas por semana / Two classes per week: € 20.

Despesas regulares

Quinto Os Chões vanaf Marvão (1)

[English]  [Nederlands]

Somos capazes de ver além do fim dos nossos narizes. Um humano pode fazer isso. Por exemplo, podemos ver as estrelas e elas estão a cerca de 5000 anos-luz do nosso planeta. A luz das estrelas faz uma viagem de cinco trilhões de quilômetros e, em seguida, um fóton cai através da tua lente na tua retina. Um milagre! Eu li na internet. Nós temos olhos biônicos. Devido às redondezas do planeta, os nossos olhos não chegam tão longe na Terra. O horizonte é o limite. Isso é cerca de cinco quilômetros. A menos que tu estejas numa grande altura. Numa montanha por exemplo. Assim podes ver muito mais longe. Eu suponho cerca de 200 quilômetros e então a redondeza da terra começa.

Toda vez que estou no local em que tirei essa foto, fico impressionado com o olho humano, com o mundo e com a vastidão dele. E isso posso ver tudo!
Eu sei que estou olhando para dois países e, na verdade, isso não é visível. À distância está a Espanha. À direita, por exemplo, vês as costas do dragão – uma serra de rocha alongada – que é onde a Espanha começa e em frente de mim está Portugal.

A propósito, estou em Marvão, Portugal, a 800 metros de altitude. Abaixo vês algumas casas. Olhe no canto inferior esquerdo da foto. Lá tu podes ver três casas das quais a do meio é nossa. A casa é amarela. Está rodeado pelos nossos olivais.

Aqui posso respirar profundamente e suspirar: “Uau, eu moro aqui.”

A minha vida é tão ampla quanto a minha visão. Quando estou sentado à frente do ecrã do meu computador, a minha vida é extremamente limitada às letras ou imagens artificiais. Se eu olhar para o olival à esquerda pelas portas de vidro deslizantes, os meus olhos são acariciados pelo verde. Se estou falando com alguém, a expressão do rosto e dos olhos é a minha imagem.

O ecrã facilmente me suga num túnel. Talvez a visão do túnel comece aqui. O ecrã pode até ser tão dominante quando escrevo, por exemplo, que não sinto mais que tenho um corpo. Então este ecrã é o meu mundo, a minha vida.

As oliveiras ou a natureza em geral me fazem perceber que vivo. Como se alguém tivesse dado estalos com os dedos. Estou acordado. Árvores, verde, vento, sol, chuva. Terra, relva, pedras. A natureza com todas as plantas e todos os animais me trazem de volta ao que a vida é realmente.

Regularmente me perguntei o que valorizo verdadeiramente na vida.

O que é importante para mim?

E para descobrir, perguntei a mim mesmo:

    1. Onde gasto o meu dinheiro (depois das despesas regulares, é claro)?
    2. Esse padrão de gastos está em harmonia com o meu bem maior?
    3. Contribui?

Responder a essas perguntas trouxe as minhas ações de acordo com os meus valores.

Uma vida em movimento com o ritmo da natureza.

Esse é o meu maior valor. De tudo o que dificulta esse movimento eu me afasto. É assim que o meu ponto de vista sobre a vida cresce.

O estúdio recuperado!

IMG_2123

Olhe para a foto e é como se nada tivesse acontecido em maio passado. Nenhum inundação, nenhum tecto ou piso quebrado. A Câmara do Município de Marvão recuperou tudo, mesmo antes da data prometido. GRATA Câmara!

E sem a ajuda de Libania Salgueira, Jorge Rosado, José-Manuel Pires e Lina da Paz eu não poderia ter feito isso. Obrigada a todos mil vezes.

Amanha terça feira dia 18 de setembro 2018 as aulas são como de costume no estúdio.

ENGLISH
Look at the picture and it’s like nothing happened last May. No flood, no ruined ceiling  or floor. The Câmara of Marvão recovered everything, even before the promised date. THANK YOU Câmara!

And without the help of Libania Salgueira, Jorge Rosado, José-Manuel Pires and Lina da Paz, I could not have done it. Thank you all a thousand times.

Tomorrow, Tuesday, September 18, 2018 classes are as usual in the studio.