Meditação nas sextas

IMG_8007

(for English scroll down)

A demonstração de interesse por uma aula de meditação semanal, me fez decidir mesmo assim de adaptar o meu programa e oferecer esta aula desde Fevereiro 2018. Eu considero a importância de aprender a meditar tão grande que deixo ao lado com vontade outras atividades.

Nas sextas feiras de manha às 10:00 horas vocês estão muito bem vindo na minha quinta para meditar na natureza. Se o tempo não permite ficar fora, a minha salão é grande o bastante.

Quando: Sextas feiras (primeira aula: 2 de fevereiro 2018)
Hora: 10:00-11:00 horas
Onde: Quinta Os Chões, Ponte Velha
Preço: € 5 por aula

Inscrição:
Paga por aula. Deixa-me saber o mais tardar na quinta-feira se participa. Isso em relação com as preparações. Quando não sabe onde moro, envio-lhe a localidade depois a sua inscrição.


ENGLISH

Meditation on Friday
The interest shown for a weekly meditation class, made me decide after all to change my program and offer a weekly class as of February 2018.
I consider the significance of learning meditation so important that I happily have set aside other occupations.

On Friday morning at 10:00 hours you are more then welcome at my house to meditate in nature. If ever the weather does not permit us to be outside, my house is big enough to accommodate a meditation group.

When: Fridays (first class February 2, 2018)
Time: 10:00-11:00 hours
Where: Quinta os Chões, Ponte Velha
Price: € 5 per class

Signing up:
You pay per class. Let me know at the latest on Thursdays if you will be participating. This, for preparation reasons. When you do not know where I live, I will send you the explanation after signing up.

Uma boa pessoa

bunny-yoga-classes-with-rabbits
Bunny Yoga – Yoga com Coelhos

(English or Dutch)

Ontem ao redor das oito e media na tarde chego a casa depois ensinar uma aula de yoga. Antes da aula fiz uma sopa deliciosa com todos os tipos de verduras como a nabiça. Durante o jantar conto da aula, dos alunos e da temperatura no estúdio. Finalmente – depois estudar o manual durante dez minutos – consegui programar o aire acondicionado. Um luxo!

Falando de yoga, o meu marido Coen dá a sua contribuição.

“Já ouviste falar de Bunny yoga – yoga com coelhos?”

Coen quase sempre faz piadas, então estudo a sua cara com suspeição.

“A sério. Existe! Vai buscar em internet, no social media.”

“Noticias falsas!” Protestou eu.

“Não, noticias reais!” Ele ri.

Mais tarde esta noite vou verificar a sua sugestão e encontro um artigo no Indepent de Canada. O meu queixo cai e continua a cair enquanto ver o vídeo relacionado no You Tube.

Depois yoga com cabras, agora existe yoga com coelhos. Sinto surgir uma irritação. Isso quase nunca acontece quando trata-se do comportamento das pessoas. E agora que sim. Decido de deixar o sentimento pelo que é, vou para a cama e esta manha volto a ensinar uma aula. Só durante a aula – uma vez mais num estúdio bem quente – ocorre-me de onde provém esta irritação.

Não estou a falar do que as pessoas fazem nas suas vidas. Não me incomoda a menos que as coisas que não me fazem feliz não ocorrem no meu espaço. Não, a minha preocupação é a erosão de yoga. Tornou-se num sector que apresenta o mais rápido crescimento especialmente nos EUA e logicamente o comercio se construi num tema bem sucedido. Mas não só isso. Escolas de yoga brotam por todo o lado. Uma oferece variação X no tema de yoga e uma outra variação Y. E como com todas as disciplinas de deportes que envolvem dinheiro, que não têm uma proteção oficial da profissão e com quem se pode manipular as pessoas, esse fenómeno entra na Europa. O vazio chega à Europa. A decadência governa em todas as frentes. Afogado em consumismo. Em comprar, ter e manter. Então porque não yoga com cabras e coelhos?

O fato que tribos inteiros estão de pé, sentados ou deitados num tapete de yoga para procurar e aprender a arte de relaxar-se e focar-se, me dá um grande excitação, mas acho terrível que tudo leve o nome de yoga. Com isso o yoga como totalidade foi dividido em diferente tipos de yoga. Yoga para a respiração, o corpo, mulheres grávidas, gente depressiva, crianças, bebés, costas, ancas, idosos e para animais de companhia. Esta lista não está completa. Há mas sob o sol velho. Ouso dizer que isso é de todo, mas não é yoga como yoga está destinado a ser.

O treinamento clássico de yoga oferece os meios para ficar uma boa pessoa. O princípio básico:

Deixa o “bom” pelo que é e aprende a fazer o “mau” melhor até que transformou ao “bom”.

Isso requer um equilíbrio e com o treinamento de yoga podes adquirir este equilíbrio. És gentil para ti mesmo com o objectivo final de ser bom e amável para o mundo inteiro. Sem condições. O primeiro passo (ser gentil para ti mesmo) é extremamente difícil enquanto não treinar diariamente. Então o yoga não é uma coisa que se faz só no teu tapete. É um modo de vida. Uma filosofia de vida. As cabras e os coelhos são como social media: uma distração completa. Imagina-te investir tempo em ti mesmo e focar-te em ti mesmo?

Se queres fazer do mundo um lugar melhor, certamente não precisas partilhar vídeos de animais abusados ou convidar coelhos no teu tapete. Só tens para ser uma boa pessoa. E se não podes lidar com animais abandonados e abusados, porque não trabalhar num canil? Ali podes alcançar algo. E quem sabe? Os animais podem ser o teu espelho? Porque o quão mal estás a abandonar ou abusar de ti próprio?

O círculo está fechado

IMG_0850
Os principais atores em 1942. Se casaram três dias antes a invasão japonesa das Índias Orientais holandesas (Indonésia). A minha mãe teve 24 anos e o meu pai 26 anos.

(English)

A minha secretária está limpa. Todos assuntos nos tabuleiros estão tratados. Nada resta
pela minha espera. Nada. Agora posso pôr as primeiras palavras do livro sobre a história da minha família no papel. Com calma. A ecrã em frente de mim mostra esta página branca quando ouço o som do Twitter no meu telefone. Oh … quase esqueci … é a terça feira, é o dia em que escrevo o meu blog como parte do #PHOT – Photo on Tuesday.

Normalmente escrevo o blog nas segundas. Terça-feira é o meu dia de ensinar yoga, então tenho menos tempo para escrever. Acho que contei mal os dias por causa do Novo Ano. Por isso vou escrever primeiro o #PHOT.

Um dia lei uma explicação da significação da palavra “fé”. Esta explicação era constituída
por três palavras. Gosto muito: curto e grosso.

Fé é: Vê-lo feito!

Tive que tirar algum momenta de deixá-lo afundar. Durante uns dias permiti a significação dançar na minha mente. Tive em consideração todos os meus desejos e vontades da vida – pequenos e grandes. E quanta fé tive na minha vida nos resultados desses desejos? Tive tido esse tipo de fé?

  • Expressar um desejo. Ponto.
  • Nunca mais me refiro ao esse desejo. Ponto.
  • Esquecer isso. Ponto.
  • Ter fé que o resultado vai aparecer no momento justo. Ponto.

Honestamente? Sim, é o que eu faço. Depois enviar o desejo ao universo, já está em existência, mais ainda não está visível. Nunca me refiro ao desejo. Eu esqueço isso. Só no momento de aparição sou alegremente surpreendido e penso: Olha, de onde veio isso?

Nos últimos anos lei muitos livros sobre este assunto. As explicações da lei de atracão geralmente sou exaustivas e as vezes (para mim desnecessariamente) complexas. A expressão acima mencionada captura-la. Faz todo o meu ser sorrir.

O meu desejo de escrever a história da minha família é antiga e de repente nos últimos três meses aparecem todo que tem uma ligação com este desejo. O tempo. O espaço. O arquivo e sobretudo a minha mente é libre. Não foi possível começar com o livro mais cedo na minha vida. Ficou perto demais. Eu tinha muitas emoções coloridas. Mesmo quando outros me digam: isso livro nunca entrará em existência! Eu sempre sabia que o livro vir a luz do dia no momento justo. E agora que eu desfiz-me do casaco pesado da família, posso começar.

Obviamente, após a publicação deste #PHOT blog.

AGORA.

Yoga e Meditação em 2018

kaart-2018.jpeg

(FOR ENGLISH SCROLL DOWN)

Queridos Yoguis,

Depois um mês de descanso, festa e tal vez um pouco de reflexão, as aulas de yoga começarem o dia 2 de janeiro. Eu espero ansiosamente pela nova época. Aqui abaixo informação.

HATHA-YOGA
Quando: Terças e Quintas (primeira aula: 2 janeiro as 10:00 horas)
Hora: 10:00 e 19:00 horas
Onde: No estudio no Ninho de Empresas de Marvão em Santo António das Areias
Preço: € 20 por mês

DEIXA-ME SABER SE CONTINUAS (COMEÇAS) POR E-MAIL se faz favor.

SATSANG
Quando: Cada segundo domingo do mês (primeiro satsang: 14 janeiro10:00 horas)
Hora: 10:00-12:00 horas
Onde: Na minha quinta
Preço: € 10 por satsang

Se tens perguntas, pode telefonar-me ou escrever por e-mail.

Espero muito de ver os a próxima semana! Vamos fazer um ano de yoga fantástico, saudável e engraçado!

Beijinhos, Liesbeth


ENGLISH

Dear yogis,

After a week of relaxation, holiday, party time and who knows a little reflexion, the classes will start again on the 2nd of January. I am very much looking forward to this new season. I send you some information:

HATHA-YOGA
When: Tuesdays and Thursdays (first lesson: January 2 at 10:00 hours)
Time: 10:00 and 19:00 hours
Where: My yoga studio in the Ninho de Empresas de Marvão in Santo António das Areias
Price: € 20 per month

LET ME KNOW IF YOU WILL CONTINUE (OR START) BY E-MAIL PLEASE.

SATSANG
When: Every second Sunday of the month (first satsang January 14 at 10:00 hours)
Time: 10:00-12:00 hours
Where: My quinta
Price: € 10 per satsang

If you have any doubts or questions please call me or send an e-mail.

I surely hope to see you next week. Let’s make a great, healthy and fun yoga year!

Love, Liesbeth

O último Satsang do ano 2017

cropped-18193824_1959424380955633_8920102966326795577_n.jpg

(English version click here)

Era ventoso e chuvoso no último domingo. Havia nenhuma oportunidade para ser fora em natureza para meditação e conversação. Era uma experiência nova, estar junto na casa. Estávamos com dez participantes de qual dois novatos.

Como sempre a Susana Maridalho trouxe bolos deliciosos com mirtilo. Phine Verhoeff entrou com uma garrafa de Kombucha – grata amigas – e houve chá de gengibre e café. Essas manhas sempre passam rápido enquanto fazendo meditações longas e curtas e tendo conversações agradáveis.

O tema deste Satsang era:

O que podemos fazer para ficar cada vez com mas consciência?

Eu penso que adotando um hábito novo para substituir um velho, é um começo simples e bom. Se repetes o hábito na mente novo bastante tempo, se sentes a emoção ligada com o hábito no corpo e ages em conformidade, o hábito se tornará um automatismo e então virá natural. Outra coisa agradável é que se não usas o hábito velho ele diminuirá lentamente. A falta de atenção faz o truque.

Três exemplos simples

Criar novos pensamentos
Em acordar pela manhã, tu poderias substituir os teus primeiros pensamentos sobre ontem, hoje e amanhã para pensamentos de gratidão. Mesmo poderias escrever diariamente uma lista de coisas por quais estás grata.

Pessoas negativas
Quando notas uma pessoa negativa ao redor de ti, podes fazer três coisas:

a. Ir embora. Isso nem sempre é uma possibilidade.
b. Envie aquela pessoa. Nem sempre é possível.
c. Mudar os teus pensamentos sobre aquela pessoa. Isso sempre é uma opção.

Eu sei que a última opção perguntará algo de ti e mesmo pode levar tempo: investigar a tua opinião sobre aquela pessoa.

Só te perguntas – enquanto te amando ao máximo – quando estiveste uma pessoa negativa na tua vida. Sejas honesta e enfrente isto. A maioria das vezes, a situação dissolvera por si quando tu tiver a epifania.

Olhar e ver
E, há outro hábito que podes aprender. Um que levará entre 1 para 30 segundos. Bem, isso é tempo económico! Especialmente no mês de dezembro tens muitas oportunidades para praticar. Por exemplo enquanto expressando os teus desejos das boas festas.
Nos vivemos em tempos ocupados e parece que nós apenas temos um olho para um ao outro. Poderias começar olhar todo o mundo que encontras no olho. Tarda menos de um segundo. E, escuta-lhes. Quase sempre posa a pergunta: Tudo bem? Espera pela resposta. Assim o outro está sendo visto e ouvido e tu também. Isso é conexão. Naquele momento tu estás presente e consciente. No aqui e agora.

Conexão não está baseada em quanto tempo nós gastamos com alguém ou o que nós fazemos com eles, conexão sempre está baseada na qualidade de presença. (Katherine Schafler)

Grata a vocês tudo par ser presente nos Satsangs e para a sua inspiração. Nós olharemos um ao outro no olho pronto.

As aulas de yoga iniciaram na terça feira, dia 2 de janeiro 2018.

O próximo Satsang estará no domingo 14 de janeiro 2018 as 10:00 horas.

Novas iniciativas

DSC03765
Curso de meditação junho 2017
(for English click here)

Queria partilhar com vocês algumas novidades:

Com tantas pessoas interessadas em meditação vou oferecer duas iniciativas novas.

Satsang 2017-2018

Talvez a palavra Satsang pede uma explicação:

Satsang é uma palavra sânscrita (sat = verdade, sanga = companhia). Normalmente é traduzido como “Encontro com a Verdade”.

Satsang para mim significa sentar-me junto com pessoas quem estão no caminho para a conscientização. Com pessoas quem querem encontrar a Verdade e sabem que haja mais na vida de que podemos registar com os nossos sentidos.

Nós temos o mesmo objetivo com um fio condutor: Conhece-te a ti mesmo.

Cada Satsang tem um tema próprio. Meditamos sobre este tema e falamos sobre as nossas experiências com este tema. Nos aprendemos sempre uns dos outros. Filosofar é bom e melhor é pôr em prática o que aprendemos. Assim a vida vai mudar na direcção que escolha.

Onde: Quinta Os Chões (a minha quinta na Ponte Velha)
Quando: Nos segundos domingos do mês. Em 2017: 12 de novembro e 10 de dezembro.
Hora: 10:00-12:00 horas
Preço por satsang: 10 €

Aula semanal de meditação 2018

Onde: Quinta Os Chões (a minha quinta na Ponte Velha)
Quando: Segundas-feiras
Primeira aula: 8 de janeiro 2018
Hora: 19:00-20:00 horas
Preço por aula: 5 €

Inscrições & informações:
Liesbeth Steur
Telemóvel: 967 421 914
E-mail: liesbeth@liesbethsteur.com
Website: http://www.yogastudiomarvao.com
Facebook: @yogastudiomarvao

Yes, I can …

Holanda 1968

Num mercado de livros encontrei uma vez um livro pequeno e fino sobre ioga. Tinha 13 ou 14 anos e nunca ouvi falar disso. Foi escrito em holandês e custou 1 florim. Isso pude pagar. Porquê o comprei? Não fiz ideia.

Uma vez em casa comecei a ler o texto e a estudar as imagens até que, após algumas semanas, até poder fazer o pino. Os anos seguintes passaram com a prática de desporto organizado e pouco ioga. Respirei, isso sim, mas o ioga ficara esquecido. Casei-me com 21 anos, fui dotada com 2 filhos quando tinha 23 e 25 anos e fiz o que sabia. Imitei a minha mãe. Até que não pude praticar desporto por causa dum acidente de esqui. E agora?

Rapidamente novos livros sobre ioga distraíram-me da minha nova limitação. Mais tarde encontrei um estúdio de ioga na minha cidade e no momento em que a lesão foi curada, inscrevi-me para as aulas.

Um mundo de discípulos de Bhagwan Shree Rajneesh, curadores de aura, xamanes criados por si próprios, cantadores de mantras e de meditação abriu-se para mim.

A minha professora de ioga, estudante de Baghwan na Índia, pediu-me regularmente para me encarregar das suas aulas e aconselhou-me a seguir uma formação oficial. E a escola perfeita ficava na minha cidade. Então quando cumpri 32 anos, obtive o diploma. Mas mais importante que o diploma, soube um pouco mais. Depois o meu próprio estúdio de ioga seguiu-se.

Mesmo assim, depois de uns anos, a lesão voltou (em ambos joelhos). O médico prometeu-me um futuro numa cadeira de rodas, um outro médico especialista disse: operar e mais um outro disse a não operar nunca, porque uma lesão deste tipo nunca vai recuperar bem. Não pude subir as escadas, não consegui ir de bicicleta e o pior de tudo, não pude dar aulas.

Dentro de uma semana tive um trabalho normal num escritório. E, sabes onde? Na Associação Holandesa de Esqui. Mas a lesão mantinha-me preocupada. Tal não pode ser verdade? Uma cadeira de rodas? Em silêncio, entre trabalho e família, comecei a meditar. Porque ficar quieta, era algo que eu podia e ao fazer estas meditações pude observar e ver cada vez melhor a mim própria e a minha vida. Dez anos turbulentos passaram no meu interior e na hora do meu 40 aniversário, estava divorciada e os meus joelhos estavam curados.

E porque vos conto isto? Porque encontrei esta foto do ano 1968, recordo esse primeiro livro pequeno sobre ioga e tenho de rir alto comigo mesma, quando vi todos esses livros sobre o funcionamento do cérebro na minha secretária. De uma vez sei porque estou a estudar esses livros.

Só por uma razão: para procurar a prova que eu me curei a mim própria por meditar e usar o poder da mente. Nem mais nem menos. E esta prova científica já está nestes livros.

Acho que sou a prova viva de que a meditação é um meio excelente para mudar a tua vida totalmente. Se o quiseres. Isso é a condição única. Tens de querer mudar de verdade.