Foco ou concentração

paul-skorupskas-7KLa-xLbSXA-unsplash
Photo by Paul Skorupskas on Unsplash.com

[English]  [Nederlands]

Durante a nossa criação, nunca aprendemos a concentrar-nos. Já nos disseram desde a infância que devemos fazer isso e ninguém explica como. Nem mesmo os nossos pais. Eles raramente dão um bom exemplo. O que aprendemos é ficarmos distraídos. Sete dias por semana, catorze horas por dia, se não mais. Nós (re) agimos em impulsos vindos de fora de nós. Então somos muito bons em nos deixar distrair porque é isso que fazemos. Em última análise, trazer insatisfação total com as nossas vidas e até alcançar um possível objetivo é difícil, se não impossível.

Foco é o que queremos e para poder ter isso, devemos treinar a nossa concentração. Não aprendes isso num dia. Então, para se tornar uma estrela em ter e manter a concentração primeiro temos que entender como tudo isso funciona nas nossas cabeças.

Existem duas coisas: Mente e consciência.

A mente é uma área muito grande, aparentemente infinita, que podes dividir em todos os tipos de seções relacionadas a estados mentais; com emoções como medo, ciúme, amor, sexo, comida, ódio, raiva, amistade, bondade, empatia etc.

A consciência é uma bola brilhante de luz. É um dado. É sempre a mesma coisa. Essa bola nunca muda de cor, energia, potência ou intensidade.

monique-pongan-ItzbIyqj6X4-unsplash
Photo by Monique Pongan on Unsplash.com

Em que tu focas, encontraras a bola de luz lá. A tua consciência está lá naquele lugar. Aquele lugar está iluminado.

Exemplo:
Vais ao cinema. O diretor colocou tudo nesse filme para excitar o máximo de emoções possível com os espectadores. Moves do medo ao amor, da raiva ao entendimento. Quando o filme termina lês as palavras “The End” e suspiras. Que filme foi esse! Com o seu jeito de filmar, o diretor trouxe a tua bola de luz para todas as partes da tua mente. Assim permites que alguém ou algo faça isso. Isso é exatamente o que acontece o dia todo. Tudo ao teu redor traz a tua consciência para todos os tipos de lugares na tua cabeça. És na verdade um brinquedo do teu ambiente.

Precisas fazer treinamento de concentração diariamente para conseguir algo. Como tens que treinar tudo o que queres se tornar bom. Um talento não vale nada sem treinamento.

Começa simplesmente concentrar-te ao longo do dia numa coisa de cada vez. Se conversar com o teu parceiro, fique por 100%. Fique lá!

A vida é uma aparência (manifestação) de onde a tua energia flui. A tua concentração, atenção ou consciência. Portanto, a tua vida é um reflexo de tua liderança sobre ti e o mundo.

Seja firme com o teu foco e vens aprender meditar! (Calendário)

(Interpretação livre das palavras do Monge Dandapani)

Um braço dobrado

IMG_3290

[English]

No segundo domingo do mês, organizo um Satsang.

Satsang
Sânscrito (Índia): sat = verdade, sanga = companhia.
Geralmente traduzido como:
encontro com a verdade

Satsang para mim significa: estar junto com pessoas que se preocupam com as suas vidas e saúde e querem entender o que é a vida.

Cheguei ao entendimento de que estou aqui nesta vida para aprender uma coisa: como ser “humano”.

Talvez isso pareça um pouco estranho, até perceber que tudo que aprendes quando crescer é se comportar de acordo com as expectativas da sociedade. Te adaptas constantemente aos desejos dos outros e te tornas irreal e insalubre.

Tu aprendes:

  • Como agradar a todos
  • Como ye tornar um escravo obediente à economia que precisa crescer constantemente
  • Como estar a serviço do dinheiro
  • Como estar em serviço para o outro

Assim, na maioria das vezes, as pessoas são vítimas das circunstâncias que a vida parece apresentar espontaneamente, em vez de uma pessoa consciente. As pessoas dormem. Eles vivem sem qualquer objetivo na vida, exceto agradar ao mundo, com o descontentamento e o vazio como resultado. A social média e os smartphones são a distração ideal para não perceber que estás sonambular, para evitar que acordes.

Precisamos acordar para nos tornar humanos. Para nos tornar boas pessoas que sabem o que é a vida. A questão é: como?

Bem, para isso só precisamos de duas coisas:

1. Um meio para desenvolver o autoconhecimento. Meditação é um desses meios. Dissolve passo a passo o irreal em ti. Depois de algum treinamento, a meditação destrói aquilo que é irreal, então tudo o que não é tu.

2. Um braço dobrado para interagir com os outros. Então ninguém pode se aproximar de ti. Sejas todo o amor pelos outros e pelo mundo e mantenhas essa distância do “braço curvado”.

Cada Satsang preencherá as duas necessidades. Meditamos e treinamos como curvar o braço.

Onde: Quinta Os Chões (a minha quinta em Ponte Velha)
Quando: domingo, 9 de junho de 2019 e cada segundo domingo do mês.
Horário: 10: 00-11: 30 horas
Preço por Satsang: 7 €

Nunca não fazer nada

Wandeling LS.jpg

[English]  [Nederlands]

Os meus colegas de casa costumam me perguntar, quando vou não fazer nada. Apenas sentar-me, sem tarefa alguma. É, o que querem dizer. Como eles fazem e, são bons em apenas sentar e olhar para o nada. Olhar para o vazio. Para dizer a verdade, estudo o meu marido às vezes quando está nesse estado e depois de cinco minutos me pergunto: o que há de tão bom nisso? Ele diz que não fazer nada é bom para o processo criativo, assim como o tédio. É um artista. Então tal vez isso explica muito. Às vezes imagino que não fazer nada é uma forma de meditação. Perguntei a ele o que acontece na sua mente quando estar no seu estado de fazer-nada. A sua corrente de pensamentos continua e está inconscientemente sendo arrastado da esquerda para a direita; dum estado de espírito para outro. Sem rumo.

Se essa maneira de fazer nada promove o processo criativo, o que a meditação poderia fazer? Afinal, isso também é estar parado mas com um objetivo, ou seja, desenvolver a consciência. A meditação refina a tua consciência para que possas perceber melhor. Ser capaz de registar claramente o que acontece ao teu redor e em ti, traz compreensão e leva à aceitação da vida como se apresenta. De fato, significa o fim de toda “guerra” na tua vida e para dizer-o melhor: traz liberdade interior.

Há muitas pessoas que não querem aprender a meditar. Eles têm todos os tipos de razões para isso, como não há tempo; é para hippies, para iogues; isso não se encaixa na minha vida e assim por diante.
Alguns deles vêm para as minhas aulas de ioga para participar ativamente nos exercícios. Lentamente estou ajuntar algum tempo para aprender a ficar parado. Começar com cinco minutos. E vejo que eles estão indo bem. Isso os torna quietos e mi também.

Seria maravilhoso se todos pudessem fazer isso em casa no seu próprio tempo. Custa no máximo uma meia hora ou menos por dia. É estranho que todos nós tenhamos tempo para ver televisão, conversar, discutir, fazer amor, comer e escovar os dentes, e ficar quieto por meia hora por dia com uma intenção, parece ser uma ponte longe demais.

Para mim, surge a pergunta: o que as pessoas temem? Estão com medo de se verem no seu mundo autocriado? Sim, isso pode ser intenso.

Podes realmente considerar a minha chamada meditação de percepção como terapia de vida sem terapeuta. Tem um efeito purificador e curativo no teu personagem e fornece compreensão sobre a vida complexa.

Em última análise, aprendes a lidar melhor com bloqueios e problemas, para que sejas mais estável na vida. Isso é algo para ter medo? Eu daria tempo para isso.

Se sentar-te parado, não fazer nada, olhar para o nada e o tédio são bons para o processo criativo, então ficar quieto e praticar a atenção plena, é uma ferramenta melhor, acho, porque o meu processo criativo flui o dia todo e o meu nível de energia é estável. Não tenho que ficar parado e não fazer nada para ter isso. Assim que começo uma tarefa, a transformo numa obra de arte com atenção total. Quer escreva, ensine ioga, limpe a casa ou faça um bolo. Não faz diferença.

Então sim, eu nunca faço nada! E sempre permanecerá assim.

A meditação vipassana

mattia-faloretti-709077-unsplash
Photo by Mattia Faloretti on Unsplash.com

[English] [Nederlands]

No domingo passado iniciei uma nova série de aulas de meditação. Nove participantes estavam presentes e, para eles, quero explicar novamente o que estamos realmente a fazer durante a meditação. E quem sabe, também atrai tu. Estás muito bem vindo para te juntar a nós. As datas estão no site.

Existem muitas histórias sobre o Buda. Como nasceu príncipe com uma colher de prata na boca e que estava curioso para saber o que estava a acontecer fora dos muros da propriedade de sua família. Então, foi embora. Lá, no mundo exterior, se encontrou com a vida real.

Por um tempo o Buda viveu essa vida por completo. Como não conseguia encontrar a felicidade em todos os excessos mundanos, viu a complexidade da vida e foi à procura do segredo da vida estável, agradável e pacífica.

O Buda identificou sete estados mentais – anusayas – que quase sempre levam a infelicidade ou insatisfação.

1. desejo sensorial
2. desejo de manifestar-se
3. agressão, ódio, raiva
4. orgulho, sentir-se melhor (ou menos) de que os outros
5. entendimento incorreto da realidade
6. dúvida, incerteza
7. ignorância ou falta de senso de realidade, inconsciência.

A causa mais profunda dos anusayas é a ignorância. Sobretudo a inconsciência e a interpretação descuidada do que acontece em nós, garante que os anusayas tenham a oportunidade de se manifestar e, então, não lidamos numa maneira sábia com essas emoções, pensamentos e sentimentos.

Essa ignorância nos leva a afeiçoarmos aos pensamentos e sentimentos agradáveis. Permitirmos ser distraídos por tudo (social media, por exemplo) e construímos resistência ao que é desagradável. Escondemos o desagradável em algum lugar distante do nosso corpo e cada vez ligarmos mais ao mundo exterior.

Como se o mundo exterior fosse uma droga que pudesse entorpecer os nossos sentimentos desagradáveis.

Estamos cada vez mais com medo de perder o que temos, ou pior, temos medo de não conseguir ter o que queremos.

O Buda andou muitos caminhos e num dia o segredo se apresentou. Acabou a ser simples e para todos aprenderem.

Desenvolver a consciência.

A consciência traz a percepção e leva à aceitação da vida como se apresenta.

O Buda descreve duas maneiras de alcançar essa percepção.

1. Samatha-yānika: desenvolver a consciência baseada na meditação da calma.
2. Suddha-vipassanā-yānika: o desenvolvimento direto da consciência.

A primeira maneira – a meditação da calma – é muito adequada para as pessoas que têm tempo de se afastar da sociedade. Treinar formas profundas de concentração (isto é a meditação da calma) requer muito tempo e uma longa estadia em reclusão.

A segunda maneira é para pessoas como tu e eu. Estamos no centro da sociedade, vivemos uma vida agitada e ainda queremos desenvolver essa consciência para alcançar à percepção, com o resultado, a liberdade interior. Naturalmente, a concentração também se desenvolve ao longo dessa rota; apenas duma forma mais leve do que com o primeiro caminho.

Assim que começar a usar o vipassana, o aplicarás imediatamente na tua vida diária. Pois, no vipassana observas e registas o que está a acontecer no teu corpo e na tua mente. Assim, todas as experiências mentais e físicas diárias são usadas como objeto de meditação.

Podes considerar a vipassana ou a meditação da percepção, uma terapia de vida. Quer dizer que tem um efeito purificador e curativo no nosso carácter e nos fornece duma visão intuitiva da nossa vida temporal e incontrolável. Aprendemos a lidar melhor com os bloqueios e problemas e a desenvolver estabilidade ao lidar com as experiências do dia a dia.

Meditação – Meditation

chris-ensey-87456-unsplash
Photo by Chris Ensey on Unsplash

(for English scroll)

Duas horas para tí mesmo no domingo de manha

Duas horas para meditar, praticar mindfulness e conversar sobre qual tópico que aparece. Há chá e doces. Estás pronto para arranjar tempo para ti próprio?

Desta vez estaremos juntos no estúdio de yoga.

Deixe-me saber se vais participar (isso seria ótimo).

Até domingo!

Contribuição: 5 €

 

Two hours for your self on Sunday morning

Two hours to meditate, practice mindfulness and for conversation about what topic appears. There is tea and sweets. Are you ready to make time for you?

This time we will be coming together in the yoga studio.

Let me know if you will be attending (that would be great).

Until Sunday!

Contribution: 5€

Além da minha zona de conforto

dsc00043-kopie.jpg

[English] [Nederlands]

Com 7 participantes, o Retiro de Tai Chi Chuan de 4 dias foi um evento intensivo. O programa estava cheio desde o início da manhã até tarde da noite. Em suma, os dias pareciam assim: às 8:00 horas de manha meditação, depois pequeno almoço e depois treinamento de Taiji, almoço, Wudang yoga, palestras, jantar, meditação, dormir.

IMG_2468 kopie

As sessões do treinamento intensivo de Taiji por algumas horas seguidas tiveram lugar na natureza deslumbrante de ambos os lados da fronteira entre Portugal e Espanha. Por isso, ainda era possível ter um vislumbre dessa impressionante Parque Natural. Claro que o castelo de Marvão foi visitado durante o único dia chuvoso e especialmente nublado. Isso fez a aparência misteriosa da fortaleza completa.

Wudang yoga é um importante bloco de construção para a boa execução da forma do Taiji. Eu sinto isso como um treino difícil, embora ser professora de hatha-yoga. Durante as aulas de Wudang yoga, estou completamente removido da minha zona de conforto e isso às vezes evoca resistência. Eu acho que é um treino difícil que me faz muito bem!

IMG_2478 kopie

O professor Rene Goris é um Wudang Daoist de 15ª geração e também é conhecido pelo nome You Li-Ou, PhD. Rene falou extensivamente sobre o taoísmo, as suas experiências nos monastérios nas Montanhas Wudang na China, os cinco elementos (que na verdade não existem como tais), nutrição e muito mais. Nós poderíamos fazer todas as perguntas e as respostas eram abundantes.

Aprendi sobre meditação, o que isso significa exatamente, por que devemos fazê-lo e como funciona exatamente nas olhos do professor. Desenvolver afinidade por tudo e por todos neste mundo é a meditação mais importante a ser feita. Quando tu sentes resistência, fique quieto, até que se torne em afinidade.

IMG_2519 kopie

O retiro foi um sucesso, em parte devido à deliciosa comida vegetariana que Tânia Martins preparou para nós duas vezes por dia. Descubra um talento!

O próximo retiro ocorrerá na segunda semana de maio de 2019. A data exata será anunciada em breve e, em seguida, o registo estará aberto.

Espero milagres

chris-ensey-87456-unsplash
Photo by Chris Ensey on Unsplash

[English]  [Nederlands]

O Satsang de hoje, domingo 18 de novembro foi bom! Meditamos e falamos de assuntos diferentes.

A MENTE
Com toda aquela chuva lá fora, era aconchegante estar em casa. Em paz e sossego, fizemos exercícios para meditar, concentrando-nos e percebendo os pensamentos aleatórios que, inconscientemente, nos levam a outros pensamentos. Tu podes investigar esse fluxo de pensamento ou pensamento que o desequilibra fazendo três perguntas:

  1. Este pensamento é sobre algo que está realmente presente no aqui e agora?
    Isso é bom, amoroso e compassivo?
  2. Isso é necessário? É essencial para a felicidade ou alegria do homem e do planeta e é necessário para minha sobrevivência?
  3. Tenho certeza que tu responderá 3 vezes não. A realidade é sempre mais amigável do que qualquer pensamento ou crença. E se respondeste 3 vezes não, sabes que viu uma mentira pela verdade.

VER O BEM EM TUDO
Nós conversamos sobre como treinar a mente para ver o bem em tudo. O fato de que alcançar o objetivo maior (ser otimista) sempre começa com o primeiro passo às vezes é difícil de aceitar. Porque algumas pessoas acham que vai demorar séculos. Eles dizem: solte e siga em frente! Eu não acho que funciona assim. Uma pessoa pode dizer: “Deixo esse velho hábito pelo que é, paro de fazer isso”. Mas dizer e fazer são duas coisas.

Desprender ativamente um hábito antigo é impossível. Esse velho hábito é um músculo muito bem treinado no teu cérebro. Somente aprendendo um novo hábito (nova conexão no cérebro, treinando esse novo músculo) o velho músculo pode relaxar e desaparecer. E só então quando és tão disciplinado para não voltar ao velho hábito.

MILAGRES
Fé em milagres foi outro assunto. O que é um milagre? Um diz que é um favor de Deus, o outro diz que tem a ver com a lei da atração. E ainda outra pessoa diz que é sobrenatural e, portanto, não pode acreditar em milagres. Embora esse mesmo participante acredite na lei da atração, mas não vê a conexão. Para evitar mal-entendidos neste mundo, é importante definir o significado duma palavra.

Acho que podemos e devemos esperar milagres. Se tens um desejo – um desejo com coração e alma – podes tê-lo materializado. No entanto, é importante desejar algo positivo. Então dizendo que não queres algo, isso funciona contra ti. Na minha opinião, o resultado do desejo é o milagre. Porque um milagre sempre acontece inesperadamente. Existem algumas condições para trazer milagres.

  1. Tu deves ter a vontade de mudar.
  2. Rendas-te ao desconhecido – permitindo-te ser liderado – é autoevidente.
  3. Perdoes tudo e todos e quero dizer tudo e todos.
  4. Esperas milagres.

Que maravilhosa manhã de domingo foi e continuamos praticar 🙂

Obrigada por estar presente.

Mais uma coisa sobre meditação

IMG_2239

[English version]

Sem exceção, noto nas minhas aulas de ioga qual é a suprema necessidade dos participantes: uma mente quieta. Nem mesmo um corpo suave e flexível. Para a maioria deles, isso vem em segundo lugar, ou desistiram disso. Viver com todos os tipos de inconveniências e dores foi aceito, como uma verdadeira vítima faria.

As pessoas suspiram com tanta frequência:

“Se o meu pensamento pudesse parar!”

Bem, ninguém é capaz de impedir isso. Por mais que a gente queira.

Hoje fui dar uma longa caminhada com o meu marido e os cachorros. Nas últimas três noites e às vezes durante o dia choveu forte e já os campos amarelados e murchados são verdes. Então, dentro de três dias, a natureza está se recuperando do longo e quente verão. E numa semana, os campos parecerão suculentos novamente. Todos, incluindo as ovelhas e as cabras, serão felizes.

Por que eu digo isso?

Vagando pelos campos, me perguntei porque os humanos pensam que eles são algo diferente da natureza?

Esse não é o caso. Humanos, tu e eu, somos a natureza. Isso significa que nós também podemos recuperar-nos de todos os inconvenientes em um curto espaço de tempo. Isso não acontece porque tu e eu acreditamos no que pensamos. Nós aceitamos tudo o que passa nas nossas mentes pela verdade. E ‘tudo’ é muito, muito mesmo. O caos numa cabeça humana é imenso. Há um bombardeio de informações ao longo do dia. Nos nossos telefones inteligentes, Internet e televisão. Além disso, todo o mundo quer encontrar a imagem ideal do século 21 de amor, família, melhores empregos e grandes casas e carros.

A que distância estamos da realidade, da nossa conexão com a natureza?

Não me surpreenda que haja tantas pessoas esgotadas que não possam se concentrar em nada. A doença – porque acho que é uma doença – é o começo de algo bom; especialmente porque os remédios não proporcionam consolo, mas investigar os teus próprios pensamentos e observar-te seriamente, isso sim.

Ser capaz de permanecer no estado de meditação é a cura maior- espiritual e fisicamente – que pode acontecer com uma pessoa. Isso é natureza. Assim como a relva e as árvores, tu não sofres dos pensamentos quando estás nesse estado.

Para entrar nesse estado, treinar a tua atenção é o primeiro passo. Basta fazer o que tu sempre fazes na tua vida – não mudas nada – mas, a partir de agora, fazes isso com atenção.

Desligue a teu celular. Existe um botão! E planejes fazer uma coisa de cada vez.

Se andar, andas.

Se estás no trem, estás no trem.

Não fazes nada além de estar consciente do teu corpo, da tua respiração e o teu ambiente.

Comece com cinco minutos por dia. Seja calma. Sem pressa. Aposto que depois de uma semana já vês o mundo de maneira diferente. E que, depois daquela primeira semana, esses cinco preciosos minutos cresceram em dez minutos por dia.

Deixe-me saber a tua experiência com isso.

Próxima Satsang: domingo 11 de novembro às 10: 00h na minha quinta.

Sim, nós fizemo-lo

IMG_1693 kopie

(English)

A nova estrutura do nosso Sinergia Encontro em Domingo funcionou!

O resultado foi de fato 1 + 1 = 3.

Nós nos reunimos com um objetivo comum: nos tornarmos mais conscientes.
Começamos com compartilhar o problema que estava nos incomodando no momento. Pequenas coisas, grandes coisas. Nós ouvimos um ao outro. Nós confiamos o problema ao papel onde ele poderia ficar em segurança enquanto nos levantávamos, encontrando um lugar na sombra para fazer exercícios de respiração e alguns movimentos simples. Em plena concentração. Apenas para se tornar consciente dos nossos corpos e deixar a mente por um tempo. Então nós andamos a espiral sob o sol da manhã.

Nenhum som, algumas canções de pássaros e rodeado por flores silvestres.

De volta ao terraço, uma linda limonada de limão e uma deliciosa focaccia, todos feitos pela nossa amiga Susana Moura Maridalho, estavam à nossa espera. Conversamos sobre as coisas simples da vida como comida, uma arte que os portugueses realmente entendem. Lentamente chegou a hora de sentar-se ainda debaixo duma oliveira. Alguns chamam isso meditação.

Eu chamo isso: não fazer nada. Claro, o objetivo é alcançar o estado de meditação. É um estado. Não é um fazer. Então, apenas sentado e não fazendo nada.

O grupo se espalhou pelo terreno. Cachorro Che andou para conferir todos os participantes e depois ficou com Beatriz. Che é o meio perfeito para verificar se podes ficar quieto ao interior.

De volta ao terraço, voltamos para nossos documentos e compartilhamos como nos sentíamos sobre o que escrevemos há algum tempo. Ainda era um problema?

Uma coisa interessante sobre o Sinergia Encontro em Domingo é perceber que todos os problemas têm a mesma origem. A maioria de nós luta ou tem lutado com os mesmos pensamentos. Através da partilha das nossas experiências e ouvindo um ao outro, a nossa consciência cresce. Karin Pfeifer usou a natureza para deixá-la entender sua declaração da manhã. Ela voltou com algumas flores e uma folha duma vinha, que contaram a ela e a nós coisas incríveis.

IMG_1699 kopie

Então nos despedimos com corações felizes e novos insights até nos encontrarmos novamente em:

Domingo, 8 de julho de 2018, das 10:00 às 12:00 horas.

Seja bem vindo. Já sabes a sinergia dum grupo com um objetivo só: consciencialização.

Meditação nas sextas

IMG_8007

(for English scroll down)

A demonstração de interesse por uma aula de meditação semanal, me fez decidir mesmo assim de adaptar o meu programa e oferecer esta aula desde Fevereiro 2018. Eu considero a importância de aprender a meditar tão grande que deixo ao lado com vontade outras atividades.

Nas sextas feiras de manha às 10:00 horas vocês estão muito bem vindo na minha quinta para meditar na natureza. Se o tempo não permite ficar fora, a minha salão é grande o bastante.

Quando: Sextas feiras (primeira aula: 2 de fevereiro 2018)
Hora: 10:00-11:00 horas
Onde: Quinta Os Chões, Ponte Velha
Preço: € 5 por aula

Inscrição:
Paga por aula. Deixa-me saber o mais tardar na quinta-feira se participa. Isso em relação com as preparações. Quando não sabe onde moro, envio-lhe a localidade depois a sua inscrição.


ENGLISH

Meditation on Friday
The interest shown for a weekly meditation class, made me decide after all to change my program and offer a weekly class as of February 2018.
I consider the significance of learning meditation so important that I happily have set aside other occupations.

On Friday morning at 10:00 hours you are more then welcome at my house to meditate in nature. If ever the weather does not permit us to be outside, my house is big enough to accommodate a meditation group.

When: Fridays (first class February 2, 2018)
Time: 10:00-11:00 hours
Where: Quinta os Chões, Ponte Velha
Price: € 5 per class

Signing up:
You pay per class. Let me know at the latest on Thursdays if you will be participating. This, for preparation reasons. When you do not know where I live, I will send you the explanation after signing up.