Tão bonita quanto a noite

josh-gordon--h8Od9ze-0o-unsplash copy
Photo by Josh Gordon on Unsplash

 

(English)  (Nederlands)

O fato de os holandeses serem diferentes de qualquer povo do sul da Europa é claro. Livros foram escritos sobre isso e muitas piadas foram feitas. A crise de Corona, que atingiu fortemente a Espanha e a Itália em particular, e a demanda por ajuda da Europa aumentou as opiniões sobre o comportamento do sul da Europa, como ocorreu em 2008.

Eu moro no sul da Europa em Portugal. O país onde o governo rapidamente entendeu a pandemia e depois agiu. Os resultados são correspondentes. O dano é bastante limitado.

Acho que não existem mais diferenças de caráter nacional em circunstâncias de escassez.
Porque onde há escassez, um outro botão entra em funcionamento. O botão de sobrevivência. Todas as diferenças aprendidas desaparecem e expõem a verdadeira natureza; tu es flexível, oportuno, es divisor ou repartidor? Tu es uma vítima ou saias das circunstâncias com flexibilidade porque ver oportunidades? Bem, o que tens de fazer?

Em Portugal, os camponeses continuam a cultivar no seu próprio ritmo. Eles sempre viveram da terra e em grande escassez. Então, nada mudou para eles. São principalmente empresários e moradores de cidades desempregados que enfrentam uma existência incerta. As pessoas que dependem dos outros para obter sua renda; as pessoas com grandes dívidas.

As circunstâncias determinam se a natureza do humano se torna visível ou não. Nem o sol, nem o céu cinzento, nem o inverno, nem o verão. Minha mãe foi capaz de contar histórias sobre pessoas com ela nos campos de concentração japoneses (na Segunda Guerra Mundial ene Indonesia) que não podiam mais se controlar e sobre as mulheres que, por meio de sua força e sabedoria internas, continuavam sendo quem sempre foram. Eles permaneceram no seu papel de vida. E assim é agora. Embora sejamos inundados com os dramas da média, a maioria dos europeus do sul vive as suas vidas como antes da crise. Talvez com muito menos ou com escassez, mas sempre em seu papel na vida.

Aqui, consciente ou inconscientemente, sabem que o único movimento em direção ao futuro é levar a vida como ela é hoje. Eles não inventam histórias no sentido de que não ampliam as suas preocupações e as projectam para amanhã. Porque o que é amanhã é sempre desconhecido. Então, o que faço, penso ou escrevo agora cria o meu futuro. Ter pensamentos desagradáveis ​​e emoções associadas determina o amanhã. Quanto vale para mim prestar atenção no que penso e digo?

No sul da Europa e no norte da África, existe o seguinte ditado:

Tão bonita quanto a noite.

Quando leio essa frase, sinto algo completamente diferente do que quando leio a expressão holandesa: tão feia quanto a noite.

Apenas uma palavra.

Uma palavra que mostra o verdadeiro caráter nacional e apenas cria um mundo feliz.

Eventos fim do ano

[English]

Vamos ter QUATRO eventos distintos no estudio! Todos eventos são para criar mais tranquilidade e harmonia na sua vida. Se quer mais informações, contate-me.

Concerto Viagem Sonora por Trio Triboleta
Marc Drost, Maria Petersen, Ricardo Townsend
Melodias e canto harmónica

Triboleta Attic

Quando: Sábado, 16 Novembro 2019 | 19:00-21:00 horas
Custo: 5€ (regista por favor; vagas limitadas)
Registro: Marc Drost | 965 677 697

Música é vibração com estrutura. Ela interage com a nossa estrutura interna permitindo transformação.
Quando nos envolvemos em situações guiadas pela criatividade, estamos a permitir ao nosso Ser inspirar-se com novas perspectivas, emoções, pensamentos, sons, cores, etc. Ficamos mais ricos e harmonizados.

Neste concerto, o nosso objectivo é criar “boas vibrações”, de forma a gerar um ambiente de meditação e expansão da percepção. Através da conexão com o som, improvisamos com vozes – melodias e canto harmónico – tambores, percussões, flautas de bambu, taças tibetanas e outros instrumentos mágicos, convidando-te a um mergulho profundo.

Nota: poderás ficar deitado durante a viagem sonora. Traz o que necessitares para estar cómodo. Há tapetes de yoga no estúdio mas podes levar o teu se preferires, manta quente, meias e roupa confortável.

Triboleta é a união de Maria Petersen, Ricardo Townsend e Marc Drost, que se direcionam na criação de viagens sonoras para complementar cerimónias, yoga, contacto improvisação e outras experiências de movimento. Também organizam rituais e círculos de som, onde as pessoas são convidadas a coceira e explorar o som a partir da sua individualidade à união colectiva.

Yoga para restaurar por Heidi Dyer
Restaura e regenera todo o organismo

dfe940_5e7042c88b214b4389369aec80a7e8a1~mv2

Quando: Domingo, 24 novembro 2019 | 10:00-11:30 horas
Custo: 7€
Registro: Heidi Dyer | 917 909 631

Vivemos tempos acelerados e a prática de yoga restaurador convida a espaço, reflexão e relaxamento profundo. É um método terapêutico que busca relaxar o físico, o mental e o emocional. O yoga restaurador utiliza materiais a facilitar as posturas, deixando-o confortável e é apropriado para iniciantes.

Alguns benefícios:

Restaura e regenera todo o organismo
Acalma a mente e traz clareza
Desenvolve concentração e consciência de si mesmo
Reduz a ansiedade
Aumenta a vitalidade
Auxiliar o sistema imunológico

Curasom Crystal em Marvão por Jose-Carluz
Terapia Pyramidal 5°, 6°, 7° Chakras

Curasom Crystal

Quando: Domingo, 01 dezembro 2019 | 15:30 – 17:30 horas
Custo: 15€ (regista por favor; vagas limitadas)
Registro: Liesbeth Steur | 967 421 914

Numa envolvência sonora e vibracional, os participantes confortavelmente deitados com uma pirâmide exposta no corpo, recebem um fluxo energético de cura pelo som cristal com energia piramidal. Após um determinado tempo deitados ou no final, ao seu ritmo, sentam e colocam a pirâmide no chakra coronário.

Esta sessão é a última de três distintas que além de elevarem a saúde, potenciam a elevação vibracional, promovendo uma vida mais consciente e plena de acordo com a nossa Natureza Essencial.

Informação & registar & pagar:

Registar com Yoga Studio Marvão, Liesbeth Steur – telefone: 967 421 914 ou yoga@liesbethsteur.com

Devido a limitação de lugares e questões essenciais de organização do evento, o pagamento da inscrição deve ser efectuado dia 29 de Novembro.

Podes pagar assim:

  1. Pagar em dinheiro (Liesbeth)
  2. Transferência bancaria: IBAN PT50 0035 0228 0001 4149 9002 6 (ao nome de Coen Verharen)

Por favor, manda-nos uma mensagem para verificarmos o pagamento e reservarmos o teu lugar.

O que levar?

Chegada: 15 minutos mais cedo para se acomodarem tranquilamente.
Cada participante deve trazer roupa confortável, 2 almofadas e uma manta.

 

Convidar a Luz: Celebração do Solstício de Inverno
por Heidi Dyer
Yoga, Meditação guiada, Ritual

freestocks-org-YXyTlLrSVs0-unsplash.jpg

Quando: Domingo, 22 dezembro 2019 | 15:30 – 18:00 horas
Custo: 5€ + um pequeno presente / oferta para troca (até o valor de 5,00)
Registro: Heidi Dyer | 917 909 631 (regista por favor; vagas limitadas)

O solstício de inverno ou a noite mais longa do ano marca o início de nossa subida para dias mais brilhante pela frente. Junte-se a mim para celebrar essa transição com yoga, meditação guiada, ritual e avançar para o novo ano com clareza e intenção.

Todos os materiais (incluindo tapetes de yoga) serão forneceu. Vista roupas confortáveis e chegue de 5 a 10 minutos antes do início do workshop.

 *Você pode trazer um item simbólico para criar um altar para a celebração.

 

Shinrin Yoku – Banho na Floresta

IMG_20190831_124828.jpg

[English]

Já ouviu falar disso? A arte japonesa do Banho na Floresta? Emergir em uma floresta para relaxar profundamente e melhorar a saúde.

Vivendo no interior do Alentejo, podemos pensar que emergimos na natureza o tempo todo. Pelo menos pensava que estava, até tomar banho na floresta com TerraFazBem, de Maria Sousa e Jorge Maia. Vim morar aqui para estar na natureza e viver com a natureza o tempo todo. Onde quer que esteja no Alentejo e onde quer que olhe, toda a natureza me rodeia. Faço longas caminhadas em áreas remotas da Serra de São Mamede, ouço os pássaros como amador e sempre me sinto renovado ao voltar para casa. Então, por que diabos deveria tomar banho na floresta? Bem, depois de ler um livro sobre essa arte japonesa e ouvir Jorge e Maria, reservei e fui junto. Sem preconceitos e sim com a mente aberta.

Agora – depois duma tarde com Maria e Jorge – sei que a minha maneira de conectar está bem e que há camadas nela. É sempre bom estar na natureza e a caminhada de 3 horas que fizemos foi profunda e um abridor de olhos e sentidos. Eu nunca soube que um ser humano está tão intimamente ligado à natureza – nós somos um – como nesta experiência.

Isso mudou a maneira como observo, vejo, ouço, cheirei, gosto e sinto sobre todas as coisas da vida.

Shinrin Yoku, que significa Banho de Floresta ou Terapia Florestal, é exercido no Japão há mais de algumas décadas. Enquanto isso, é cientificamente comprovado que a natureza tem um poder de cura. Todos sabemos que as árvores produzem ar, que a caminhada relaxa e que toda estação é encantadora.

O professor japonês Yoshifumi Miyazaki é professor da universidade e pesquisador e vice-presidente do Centro de Meio Ambiente, Saúde e Ciências de Campo da Universidade de Chiba. Ele escreveu vários livros sobre o assunto sobre os efeitos e vantagens da terapia florestal.

Jorge é licenciado como terapeuta neste campo e as capacidades de Maria, que é ela própria terapeuta e uma mulher extremamente “iluminada”, somam uma experiência profunda.

Sempre que sentir vontade de ter uma nova experiência que possa esclarecer mais sobre por que está fazendo o que em sua vida, sobre o seu estado de consciência, posso realmente recomendar um Banho na Floresta. Mais um passo em frente na direcção de uma boa ou melhor Vida.

Eu amei! Vá em frente!

O próxima banho é domingo dia 17 de novembro. Faz a reserva já!

Banhos de floresta_ back.jpg

Surpreende-te

522E316C-4C45-49F9-AF7C-0930E4FFFE42 kopie

[English]  [Nederlands]

Há muito tempo que queres participar num retiro?

Talvez por curiosidade?

Talvez para relaxar ou, quem sabe, descobrir novos caminhos e veres-te numa luz diferente?

Retiro significa retirar-se por alguns dias da vida quotidiana. Viajas para lugares desconhecidos e fazes todo o tipo de coisas que normalmente não fazes. Isso criará uma distância de tua vida normal, de modo a puderes ver as coisas sob uma luz diferente. Existem diferentes tipos de retiros, como meditar em silêncio durante dias, yoga e meditação, retiros psicoterapêuticos e, neste caso, um retiro de Tai Chi Chuan, para conheceres ou para aprofundares os teus conhecimentos.

Tai Chi é uma arte de movimento chinesa, que promove a saúde em geral. Teve origem no mesmo fluxo que as artes marciais chinesas, como o Kung Fu e o Qi Gong. A coisa boa de Taiji é que tu podes fazer isso em qualquer lugar e, de preferência, ao ar livre. Não precisas dum tapete ou de outros atributos; apenas um lugar para ficar e algum espaço para executar a forma (vê abaixo).

Taiji é ensinado como uma forma. Uma forma consiste em movimentos que têm um começo e um fim e que se fundem suavemente. Essa forma é executada em slow motion. Cada detalhe é importante. Pensar em como colocar os pés na terra, como usar as pernas, onde ficar o peso do corpo, o trabalho com os braços, como usar os olhos, a respiração; Em suma, estás realmente consciente do funcionamento do teu corpo e da tua mente.

Como essa arte do movimento é ensinada de mestre para aluno e o aluno mais tarde se torna mestre, há tantas formas quanto há mestres. Isso pode ser confuso, especialmente se vires vídeos no YouTube. Não te sintas desanimado com os vídeos!

O retiro que organizo juntamente com o Eduardo Salvado, vai ter lugar no Alto Alentejo, Portugal. Uma região onde talvez não vás.

O retiro vai ser na Guesthouse Trainspot na Beirã, a antiga pousada da estação de comboios onde, em 2010, passou o último comboio. A Beirã está localizada no meio do parque natural protegido da Serra de São Mamede e no sopé da cidade fortificada de Marvão. As aulas são dadas por Rene Goris, de Amesterdão, Holanda.

Se vieres vais ter uma experiência única.

A beleza de uma natureza única, o silêncio, a vida campestre portuguesa, Rene, com toda a sua experiência, e os bons cuidados da Trainspot vão garanti-lo. O preço não pode ser uma razão para não vires (€ 595 incluindo alojamento, aulas e refeições). Só precisas de comprar um bilhete para Lisboa e estar, no aeroporto, terça-feira dia 7 de maio, por volta das 16h. A essa hora uma camioneta vai buscar os participantes e levá-los para a Beirã, através um bela viagem pelo interior de Portugal. Se moras na área e dormes em casa, pagas € 395.

Se te inscreveres neste retiro de 4 dias (até 12 de abril), podes ter certeza que vais aprender muitas coisas novas, que nada é o que parece ser e que tens uma nova perspectiva na tua vida. E, por último, significa que podes continuar a crescer.

Se tiveres alguma dúvida, entra em contato comigo ou inscreve-te diretamente no website de Alentejo Retreats

Também podes efetuar o pagamento nesse link.

Poucos dias no Alto Alentejo são suficientes para continuar a vida com uma nova vivacidade.

Surpreende-te!

De cidade para aldeia

b01c29ac-3859-4025-a4df-7a336387e0f3
Restaurante Pau de Canela, Santo António das Areias

[Nederlands]  [English]

Para mim, há muitas diferenças entre a minha vida aqui, na aldeia, e em Haia, a minha cidade favorita, na Holanda. Embora tenha passado os primeiros anos da minha vida no interior da Sicília e na Turquia, tornei-me uma pessoa citadina, sob a influência da minha mãe. Ela amava a cidade e achava tudo o que era remoto e solitário absolutamente inadequado para viver. Achava chato e perigoso. Jamais se teria aventurado sozinha num passeio pela floresta, ou no Haagse Bos, um parque tranquilo na Haia, em redor do palácio do rei. E eu? Sendo uma criança super obediente? Nem eu. Até que o meu filho mais velho comprou uma cadela e, como viajava muitas vezes por trabalho, ficou connosco durante semanas. Ela estava habituada a viver ao ar livre. Relutantemente, decidi enfrentar o meu medo e lancei-me à primeira caminhada pela floresta. Não parei até hoje.

Desde então descobri que amo a paz, o silêncio, o espaço e a beleza do campo e da natureza. Agora não gostaria de morar noutro lugar. Talvez mude novamente quando tiver 120 anos ou mais. Provavelmente, para a aldeia que fica a 5 minutos de carro da nossa quinta. Portanto, não vivemos tão sozinhos e isolados. Temos até “vizinhos da frente” e “vizinhos de trás”.

A vida no campo traz a vida da aldeia, com todos os aspectos da vida da cidade, mas mais sóbrios. Há uma loja, um minimercado, uma farmácia, alguns bares, uma igreja, um restaurante, um lar e uma casa de convalescência. Há dois médicos de família e uma bomba de gasolina. Temos uma verdadeira praça de touros, que funciona uma vez por ano, um grande quartel de bombeiros e até mesmo um ninho de empresas. E tudo isto para a região de Marvão, com cerca de 3.000 habitantes. O meu estúdio de yoga está localizado no Ninho de Empresas,  em Santo António das Areias, parte do município de Marvão.

Os 3.000 habitantes têm as mesmas necessidades e preocupações que as pessoas da cidade. Temas como a saúde, vida familiar, amor, socialização e boa comida desempenham um papel importante. Normalmente, as preocupações são sempre sobre a falta de saúde e / ou dinheiro.

A diferença entre a vida do campo e da cidade reflecte-se no tempo que as pessoas têm umas para as outras. Tal e visível, por exemplo, nas enormes televisões que existem dentro dos restaurantes, e da própria iluminação. Vê a imagem.

Uma das minhas amigas, Susana Maridalho, organizou um jantar para os participantes das aulas noturnas de yoga, no restaurante Pau de Canela, na aldeia. Como entradas, tivemos azeitonas deliciosas, cogumelos recheados e queijo quente com ervas, saído directamente do forno. Depois, um delicioso arroz de pato tradicional. Dona Conceição cozinha – para os padrões locais – muito bem. E as sobremesas eram mais do que doces.

Olha à volta da mesa e vê com quem estou a jantar: à frente do lado esquerda: Ana Pomba, assistente financeira da agência que garante a reintegração de desempregados de longa duração. Mora em Portalegre. Ao lado dela, Maria do Carmo Carilho. É dona da famosa salsicharia de Alpalhão (a cerca de 45 minutos de carro do meu estúdio). Depois, Carla Martins. Trabalha para uma grande companhia de água e é responsável pela pureza da água na região do Norte do Alentejo. A Carla passa muito tempo dentro do carro, de Portalegre para Lisboa e outros destinos. Ao lado dela vês Fernanda Mateus. Vive na aldeia e trabalha no Museu de Marvão. Com belos cabelos ruivos, Elisabete Reis, quem abriu recentemente um cabeleireiro em Castelo de Vide. Trabalha com produtos naturais. Ao lado vês um cantinho da Tânia Ramos (com óculos). É esteticista e tem o seu gabinete no rés-do-chã do meu estúdio de yoga. Heidi Dyer é a próxima. Acaba de chegar dos EUA, é professora de yoga e de dança. Está a estabelecer-se aqui. Uma jovem poderosa, dedicada a tornar a sua nova vida em Portugal num sucesso. Ao lado dela está Zé Paulo Ramalho, também participante de yoga e, como eu, também da grande cidade. Tem uma grande quinta onde trabalha a sua horta de acordo com os princípios da permacultura. Vende os seus produtos juntamente com a Heidi, que também trabalha na horta, nos mercados locais. Algo está a florescer entre os dois.
Do outro lado da mesa, podes adivinhar o rosto de Jacqui Hogan, inglesa. Mora na zona há alguns anos e ensina inglês em Portalegre. Fala bem português e é, por formação, terapeuta de shiatsu.
Ao lado dela Susana Maridalho, a força motriz por trás de tudo e de todos. Já escrevi sobre ela há uns anos atrás. Tem uma loja grande na aldeia chamada Casa Moura. Tem muita energia e representa com grande sucesso a marca Thermomix (aqui é chamada Bimby), um magnífico robô de cozinha. Então segue a Isabel Pires. E funcionária e recepcionista da Câmara de Marvão. A cadeira vazia ao meu lado é da Lina da Paz, outra de nós que veio da grande cidade para o campo. Tinha acabado de se levantar. A Lina tem a Trainspot Guesthouse na Beirã. Marília Ribeiro está do meu outro lado. Tal como a Ana Pomba, também trabalha no gabinete de reintegração do município de Portalegre e orienta as pessoas para uma nova vida. Há umas semanas publicou o livro Mulheres, Trabalho e Alentejo. Histórias de vida das mulheres trabalhadoras desta região. Mulheres com quem podes “roubar cavalos”. Impressionante.

Helena Pinadas está ao lado de Marília. Nascida e criada em Santo António das Areias. Os seus pais têm um bar na aldeia e ela trabalha como administradora no lar de idosos. Quem também não vês (como a Lina) é a fotógrafa Paula Cristina Costa. Outra que veio da grande cidade para o campo. Ela e o marido, Nuno, têm um grande parque de campismo naturista, a Quinta do Maral, muito popular entre a comunidade naturista holandesa. Está maravilhosamente situado no sopé de Marvão.

Nem todos os participantes de yoga puderam vir ao jantar, mas de certeza que vai haver uma próxima vez. Eu tenho uma vida maravilhosa e estou grata por tudo e todos os que me rodeiam, pois ajudam-me a saber quem eu sou.

New kid on the block

IMG_2814
Heidi Dyer a dar o workshop Chakra Balancing

[Nederlands]  [English]

A quantidade de participantes que vem ao meu estúdio de yoga está acima das expectativas. Quando cheguei aqui em Marvão em 2016, não tinha planos para um novo estúdio. No entanto, veio à existência, apesar da minha relutância. Na verdade, eu tive essa resistência contra a obrigação de dar aulas semanais novamente. Agora, dois anos depois, estou feliz em dar quatro aulas por semana e as oficinas necessárias entre elas.

Ainda sou grato a Leone Holzhaus por me pedir repetidamente para começar a ensinar novamente. Então eu pensei: uma aula por semana, ok, isso pode ser. Agora tenho um estúdio totalmente mobiliado e muitos participantes. A vida é cheia de surpresas.

O meu círculo de amigos está crescendo rápido e a boa notícia é que cerca de 85% dos participantes são portugueses. Eu realmente amo fazer o meu trabalho e continuo em boa forma.

O mercado é maior que quatro aulas por semana. Eu não farei mais do que faço agora. E então, de repente, Heidi Dyer apareceu no meu caminho. Fresco dos EUA e apenas se estabeleceu aqui. Heidi também é professora de yoga. Ela ensina Yin Yoga e Yoga Restaurativa. Além disso, ela foi treinada como massagista terapêutica. Heidi veio para minhas aulas no verão passado e ficou. Agora ela usa o meu estúdio às quartas-feiras e tem a possibilidade de construir a sua própria prática. Massagens à tarde de quarta-feira e aulas noturnas.

No quarto domingo do mês, Heidi organiza uma oficina com um assunto especial. No domingo passado – a primeira vez e a turma estava cheia com 10 participantes inclusive eu – treinamos por duas horas em profundidade o relaxamento (yoga restaurativa) e o equilíbrio dos chakras. Heidi já faz isso parcialmente em português. Mulher forte! Começar uma nova vida por conta própria num novo país! O workshop foi um grande sucesso. Quarta-feira à noite, ela repetirá o workshop para as pessoas que não se encaixaram no último domingo.

Que enriquecimento para o Yoga Studio Marvão. A região se beneficiará dessa crescente comunidade de pessoas bem-educadas e experientes.

A sinergia (1 + 1 = 3) pode ser sentida. Hoje de manhã, depois da aula de yoga, estávamos no bar do Ninho de Empresas de Marvão onde o estúdio está localizado, bebendo café ao sol com vários participantes e todos concordamos que estamos indo muito bem. Todos juntos. E essa é a única coisa que conta na vida. Acho eu.

Um novo Retiro

DSC00043 kopie

[English]  [Dutch]

Uma pergunta pessoal
Ainda me lembro bem, a primeira vez que a pergunta “o que estou fazendo aqui?” apareceu. Eu tinha cinco anos, morava na Sicília. O Etna retumbou e cuspiu fogo. Eu acabei de estar à beira da morte por tifo. Naquela noite, no terraço, senti e ouvi o estrondo do vulcão e vi os fogos de artifício. O céu estrelado estava lá como sempre. A minha mãe e a minha irmã mais velha também estavam lá e, no entanto, me senti como uma alienígena.

“O que estou fazendo aqui?” “O que é tudo isso?” Essas perguntas brincavam na minha cabeça e isso era o começo dum caminho longo cheio de solavancos, pedras, montanhas e vales. Muitas contusões, arranhões e feridas e o cenho franzido na testa se transformou numa ruga vertical permanente entre as minhas sobrancelhas.

Taoísmo e natureza
Estudar livros grossos, aprofundar-me nas filosofias ocidentais e orientais, ensinar ioga e meditação trouxe algumas respostas, mas pouco para ser mais sábio. Celebrando e vivendo a vida, mergulhando nas profundezas, assumindo riscos com o adágio: vamos ver onde isso vai trazer-me, isso sim deu resultado. E, no entanto, a busca por uma saúde ótima e longevidade continua.

Foi assim que acabei nas filosofias chinesas. Confucionismo e taoísmo. Os livros sozinhos nunca me levaram mais longe, mas a aplicação e prática na vida real da ciência que está nesses livros, isso sim. Yoga ainda é uma media importante para mim e agora eu também pratico Wudang (chinês) yoga e Tai Chi Chuan. Um mundo totalmente novo está se abrindo para mim. Eu gostaria de compartilhar esse mundo contigo, para que a tua vida diária também se torne mais leve.

É  por isso que organizo um novo Retiro de Wudang Taijiquan (de cinco dias). Juntamente com Eduardo Salvador e o mestre de Taiji Gongfu, Rene Goris de Amsterdão, quem nos treinará nesses dias.

Guesthouse Trainspot é o nosso alojamento durante o Retiro. Trainspot está localizado no restaurante / guesthouse antigo da estação abandonada Marvão-Beirã. As faixas são silenciosas e nos mostram um caminho. Marvão está localizado no meio do Parque Natural da Serra de São Mamede, na fronteira com a Espanha. Food & Beverage são fornecidos pela Trainspot e são adaptados ao programa e aos desejos dos participantes.

Retiro
A língua de ensino será o inglês, com tradução para o português. Os dias estão cheios de meditação, treinamento e passar tempo na natureza, palestras sobre as filosofias subjacentes, comer, descansar e também dormir. Há tempo para acupunctura e massagens. Tu também podes fazer todas as perguntas que estão na tua cabeça.

Se tu vens do exterior, há uma transferência do Aeroporto de Lisboa para Marvão. Para tornar a retiro o mais fácil possível para ti, o preço é all-inclusive. Só precisas comprar o teu próprio bilhete de avião. Assim podes concentrar-te 100% em ti mesmo. Cinco dias.

O site dos Retiros no Alentejo (https://info308760.wixsite.com/trainspottaijiquan) oferece a informação e a possibilidade de te registar.