De cidade para aldeia

b01c29ac-3859-4025-a4df-7a336387e0f3
Restaurante Pau de Canela, Santo António das Areias

[Nederlands]  [English]

Para mim, há muitas diferenças entre a minha vida aqui, na aldeia, e em Haia, a minha cidade favorita, na Holanda. Embora tenha passado os primeiros anos da minha vida no interior da Sicília e na Turquia, tornei-me uma pessoa citadina, sob a influência da minha mãe. Ela amava a cidade e achava tudo o que era remoto e solitário absolutamente inadequado para viver. Achava chato e perigoso. Jamais se teria aventurado sozinha num passeio pela floresta, ou no Haagse Bos, um parque tranquilo na Haia, em redor do palácio do rei. E eu? Sendo uma criança super obediente? Nem eu. Até que o meu filho mais velho comprou uma cadela e, como viajava muitas vezes por trabalho, ficou connosco durante semanas. Ela estava habituada a viver ao ar livre. Relutantemente, decidi enfrentar o meu medo e lancei-me à primeira caminhada pela floresta. Não parei até hoje.

Desde então descobri que amo a paz, o silêncio, o espaço e a beleza do campo e da natureza. Agora não gostaria de morar noutro lugar. Talvez mude novamente quando tiver 120 anos ou mais. Provavelmente, para a aldeia que fica a 5 minutos de carro da nossa quinta. Portanto, não vivemos tão sozinhos e isolados. Temos até “vizinhos da frente” e “vizinhos de trás”.

A vida no campo traz a vida da aldeia, com todos os aspectos da vida da cidade, mas mais sóbrios. Há uma loja, um minimercado, uma farmácia, alguns bares, uma igreja, um restaurante, um lar e uma casa de convalescência. Há dois médicos de família e uma bomba de gasolina. Temos uma verdadeira praça de touros, que funciona uma vez por ano, um grande quartel de bombeiros e até mesmo um ninho de empresas. E tudo isto para a região de Marvão, com cerca de 3.000 habitantes. O meu estúdio de yoga está localizado no Ninho de Empresas,  em Santo António das Areias, parte do município de Marvão.

Os 3.000 habitantes têm as mesmas necessidades e preocupações que as pessoas da cidade. Temas como a saúde, vida familiar, amor, socialização e boa comida desempenham um papel importante. Normalmente, as preocupações são sempre sobre a falta de saúde e / ou dinheiro.

A diferença entre a vida do campo e da cidade reflecte-se no tempo que as pessoas têm umas para as outras. Tal e visível, por exemplo, nas enormes televisões que existem dentro dos restaurantes, e da própria iluminação. Vê a imagem.

Uma das minhas amigas, Susana Maridalho, organizou um jantar para os participantes das aulas noturnas de yoga, no restaurante Pau de Canela, na aldeia. Como entradas, tivemos azeitonas deliciosas, cogumelos recheados e queijo quente com ervas, saído directamente do forno. Depois, um delicioso arroz de pato tradicional. Dona Conceição cozinha – para os padrões locais – muito bem. E as sobremesas eram mais do que doces.

Olha à volta da mesa e vê com quem estou a jantar: à frente do lado esquerda: Ana Pomba, assistente financeira da agência que garante a reintegração de desempregados de longa duração. Mora em Portalegre. Ao lado dela, Maria do Carmo Carilho. É dona da famosa salsicharia de Alpalhão (a cerca de 45 minutos de carro do meu estúdio). Depois, Carla Martins. Trabalha para uma grande companhia de água e é responsável pela pureza da água na região do Norte do Alentejo. A Carla passa muito tempo dentro do carro, de Portalegre para Lisboa e outros destinos. Ao lado dela vês Fernanda Mateus. Vive na aldeia e trabalha no Museu de Marvão. Com belos cabelos ruivos, Elisabete Reis, quem abriu recentemente um cabeleireiro em Castelo de Vide. Trabalha com produtos naturais. Ao lado vês um cantinho da Tânia Ramos (com óculos). É esteticista e tem o seu gabinete no rés-do-chã do meu estúdio de yoga. Heidi Dyer é a próxima. Acaba de chegar dos EUA, é professora de yoga e de dança. Está a estabelecer-se aqui. Uma jovem poderosa, dedicada a tornar a sua nova vida em Portugal num sucesso. Ao lado dela está Zé Paulo Ramalho, também participante de yoga e, como eu, também da grande cidade. Tem uma grande quinta onde trabalha a sua horta de acordo com os princípios da permacultura. Vende os seus produtos juntamente com a Heidi, que também trabalha na horta, nos mercados locais. Algo está a florescer entre os dois.
Do outro lado da mesa, podes adivinhar o rosto de Jacqui Hogan, inglesa. Mora na zona há alguns anos e ensina inglês em Portalegre. Fala bem português e é, por formação, terapeuta de shiatsu.
Ao lado dela Susana Maridalho, a força motriz por trás de tudo e de todos. Já escrevi sobre ela há uns anos atrás. Tem uma loja grande na aldeia chamada Casa Moura. Tem muita energia e representa com grande sucesso a marca Thermomix (aqui é chamada Bimby), um magnífico robô de cozinha. Então segue a Isabel Pires. E funcionária e recepcionista da Câmara de Marvão. A cadeira vazia ao meu lado é da Lina da Paz, outra de nós que veio da grande cidade para o campo. Tinha acabado de se levantar. A Lina tem a Trainspot Guesthouse na Beirã. Marília Ribeiro está do meu outro lado. Tal como a Ana Pomba, também trabalha no gabinete de reintegração do município de Portalegre e orienta as pessoas para uma nova vida. Há umas semanas publicou o livro Mulheres, Trabalho e Alentejo. Histórias de vida das mulheres trabalhadoras desta região. Mulheres com quem podes “roubar cavalos”. Impressionante.

Helena Pinadas está ao lado de Marília. Nascida e criada em Santo António das Areias. Os seus pais têm um bar na aldeia e ela trabalha como administradora no lar de idosos. Quem também não vês (como a Lina) é a fotógrafa Paula Cristina Costa. Outra que veio da grande cidade para o campo. Ela e o marido, Nuno, têm um grande parque de campismo naturista, a Quinta do Maral, muito popular entre a comunidade naturista holandesa. Está maravilhosamente situado no sopé de Marvão.

Nem todos os participantes de yoga puderam vir ao jantar, mas de certeza que vai haver uma próxima vez. Eu tenho uma vida maravilhosa e estou grata por tudo e todos os que me rodeiam, pois ajudam-me a saber quem eu sou.

New kid on the block

IMG_2814
Heidi Dyer a dar o workshop Chakra Balancing

[Nederlands]  [English]

A quantidade de participantes que vem ao meu estúdio de yoga está acima das expectativas. Quando cheguei aqui em Marvão em 2016, não tinha planos para um novo estúdio. No entanto, veio à existência, apesar da minha relutância. Na verdade, eu tive essa resistência contra a obrigação de dar aulas semanais novamente. Agora, dois anos depois, estou feliz em dar quatro aulas por semana e as oficinas necessárias entre elas.

Ainda sou grato a Leone Holzhaus por me pedir repetidamente para começar a ensinar novamente. Então eu pensei: uma aula por semana, ok, isso pode ser. Agora tenho um estúdio totalmente mobiliado e muitos participantes. A vida é cheia de surpresas.

O meu círculo de amigos está crescendo rápido e a boa notícia é que cerca de 85% dos participantes são portugueses. Eu realmente amo fazer o meu trabalho e continuo em boa forma.

O mercado é maior que quatro aulas por semana. Eu não farei mais do que faço agora. E então, de repente, Heidi Dyer apareceu no meu caminho. Fresco dos EUA e apenas se estabeleceu aqui. Heidi também é professora de yoga. Ela ensina Yin Yoga e Yoga Restaurativa. Além disso, ela foi treinada como massagista terapêutica. Heidi veio para minhas aulas no verão passado e ficou. Agora ela usa o meu estúdio às quartas-feiras e tem a possibilidade de construir a sua própria prática. Massagens à tarde de quarta-feira e aulas noturnas.

No quarto domingo do mês, Heidi organiza uma oficina com um assunto especial. No domingo passado – a primeira vez e a turma estava cheia com 10 participantes inclusive eu – treinamos por duas horas em profundidade o relaxamento (yoga restaurativa) e o equilíbrio dos chakras. Heidi já faz isso parcialmente em português. Mulher forte! Começar uma nova vida por conta própria num novo país! O workshop foi um grande sucesso. Quarta-feira à noite, ela repetirá o workshop para as pessoas que não se encaixaram no último domingo.

Que enriquecimento para o Yoga Studio Marvão. A região se beneficiará dessa crescente comunidade de pessoas bem-educadas e experientes.

A sinergia (1 + 1 = 3) pode ser sentida. Hoje de manhã, depois da aula de yoga, estávamos no bar do Ninho de Empresas de Marvão onde o estúdio está localizado, bebendo café ao sol com vários participantes e todos concordamos que estamos indo muito bem. Todos juntos. E essa é a única coisa que conta na vida. Acho eu.

Saúde não é algo que tens …

photo-1545183387-50fea397256e

[English]

Saúde não é algo que tens, é algo que fazes. Essa frase é de Rene Goris, o meu Mestre de Taijiquan. Mas essa frase também faz parte da minha vida. Ao estudar e treinar vários programas de saúde, como yoga e Taijiquan, busco a “imortalidade”. Eu estou sempre a trabalhar no desenvolvimento de mim mesmo.

Eu sei que parar aprender não é apenas um declínio, mas, em última análise, significa o morte. Parar é como não respirar … conheces as consequências.

Com o Yoga Studio Marvão, ofereço diferentes maneiras de obter consciência e saúde e de continuar aprender. Também convido no meu estúdio outros professores / especialistas para compartilhar os seus conhecimentos. Porque o Yoga Studio Marvão é para professores e alunos que querem continuar a aprender.

Heidi Dyer é uma professora de yoga que recentemente veio morar na nossa região. Ela é uma professora americana de Yin Yoga e Yoga Restaurativa que se apaixonou por Portugal e especialmente pela nossa região. Heidi também é coach de vida, professora de dança e terapeuta de massagem, especializada em tecidos profundos e relaxamento profundo.

Desde o dia 6 de fevereiro de 2019, entre as 14:00 e as 18:00 horas, Heidi terá a sua prática semanal de terapia na quarta-feira no Yoga Studio Marvão.

Tu podes marcar uma consulta entrando em contato diretamente com ela. Telefone: 917 909 631. Heidi está a estudar o português e por enquanto se serve também do inglês. Quando envias uma mensagem para ela em português, ela entende isso com certeza.

Ao lado da sua prática de terapia na tarde de quarta-feira, Heidi dará um workshop de duas horas nos últimos domingos do mês (início em 24 de fevereiro com um workshop de equilibrar as chakras).

Eu posso recomendar vivamente que marque uma consulta com ela ou/e participe no workshop!

Beijinho, Liesbeth

Um novo ano, um novo impulso

alexandre-chambon-28720-unsplash.jpg

[English]

Desejo-te um espantoso e feliz Ano Novo!

Tu tens boas intenções para 2019?

Desejas fazer uma série de coisas de forma diferente ou parar de fazê-las ou fazer algo completamente novo?

Sabes que esses impulsos perdem força rapidamente; às vezes até tão rápido que paras de criar novas intenções. Caso contrário, podes ficar desapontado contigo mesmo.

Novos impulsos são difíceis de manter devido a um processo biológico no teu cérebro. Portanto, não é totalmente a tua culpa.

Funciona assim:

Quando queres aprender algo novo, tudo começa a trabalhar na tua cabeça. Uma nova conexão cerebral é feita. Compare isso com um músculo do teu corpo. Uma vez que comeces com o teu novo hábito, curso ou o que for, começas a treinar esse músculo. Então, quanto mais usas esse músculo, mais forte ele se torna. Uma vez que a conexão cerebral/músculo se tornou dominante, as antigas conexões cerebrais desaparecem. Então esse velho hábito desaparece lentamente. O músculo fica fraco.

A força de vontade e a disciplina são importantes para alcançar o seu objetivo, treinar o novo músculo. Tens tudo nas tuas próprias mãos. Podes de fato mudar tudo. Não precisas de ninguém para isso ou qualquer dinheiro.

Quer parar de fumar ou praticar yoga todas as semanas, tudo depende da rua vontade de mudar. Pergunte a ti mesmo se tu realmente queres mudar, por dentro. Qual é a importância para ti?

2019 é mais um ano de verdade. Ser honesto e sincero contigo mesmo é essencial para passar este ano e também ter tempo para ficar quieto. Não subestime o efeito positivo na tua vida.

Na próxima semana as lições começarão de novo.

Adoro treinar com vocês e ficar quieto e espero receber todos de novo. As manhãs de meditação começam também, nos segundos domingos do mês. Todas as datas podem ser encontradas abaixo.

Espero ver-te novamente na próxima semana.

As aulas de yoga começam na terça-feira, 8 de janeiro de 2019
Semanal: terças e quintas feiras às 10:00 horas e 19:00 horas.

Reuniões de meditação – Satsangs
Nao segundos domingos do mês.
Domingo, 13 de janeiro de 2019

Aprecio se me deixar saber se estás lá. De preferência por e-mail.

Beijinho!

Yoga dezembro/december 2018

brigitte-tohm-162814-unsplash
Photo by Brigitte Tohm at Unsplash.com

Te ofrece mais umas aulas em dezembro para treinar como manter-te bem este mês! O estúdio de yoga fica aberto em dezembro nas datas seguintes. Esteja muito bem vindo a participar nas aulas.

I offer a few more classes in December to train and keep your cool this month! The yoga studio will remain open in December on the following dates. So you are more than welcome to participate in the classes.

3a feira / Tuesday:      04-12-2018 – 10:00h e 19:00h

5a feira / Thursday:  06-12-2018 – 10:00h e 19:00h

3a feira / Tuesday:     11-12-2018 – 10:00h e 19:00h

5a feira / Thursday: 13-12-2018 – 10:00h e 19:00h

3a feira / Tuesday:     18-12-2018 – 10:00h e 19:00h

Uma das terças feiras é a aula de recuperação da aula do 27/11/2018 por causa do Retiro do Tai Chi Chuan.

One Tuesday class is to catch up with the cancelled class of Tuesday 27/11/2018 due to the Taiji Retreat.

A tua contribuição em dezembro será / Your contribution for December will be:

Uma aula por semana / One class per week: € 10.

Duas aulas por semana / Two classes per week: € 20.

Mais uma coisa sobre meditação

IMG_2239

[English version]

Sem exceção, noto nas minhas aulas de ioga qual é a suprema necessidade dos participantes: uma mente quieta. Nem mesmo um corpo suave e flexível. Para a maioria deles, isso vem em segundo lugar, ou desistiram disso. Viver com todos os tipos de inconveniências e dores foi aceito, como uma verdadeira vítima faria.

As pessoas suspiram com tanta frequência:

“Se o meu pensamento pudesse parar!”

Bem, ninguém é capaz de impedir isso. Por mais que a gente queira.

Hoje fui dar uma longa caminhada com o meu marido e os cachorros. Nas últimas três noites e às vezes durante o dia choveu forte e já os campos amarelados e murchados são verdes. Então, dentro de três dias, a natureza está se recuperando do longo e quente verão. E numa semana, os campos parecerão suculentos novamente. Todos, incluindo as ovelhas e as cabras, serão felizes.

Por que eu digo isso?

Vagando pelos campos, me perguntei porque os humanos pensam que eles são algo diferente da natureza?

Esse não é o caso. Humanos, tu e eu, somos a natureza. Isso significa que nós também podemos recuperar-nos de todos os inconvenientes em um curto espaço de tempo. Isso não acontece porque tu e eu acreditamos no que pensamos. Nós aceitamos tudo o que passa nas nossas mentes pela verdade. E ‘tudo’ é muito, muito mesmo. O caos numa cabeça humana é imenso. Há um bombardeio de informações ao longo do dia. Nos nossos telefones inteligentes, Internet e televisão. Além disso, todo o mundo quer encontrar a imagem ideal do século 21 de amor, família, melhores empregos e grandes casas e carros.

A que distância estamos da realidade, da nossa conexão com a natureza?

Não me surpreenda que haja tantas pessoas esgotadas que não possam se concentrar em nada. A doença – porque acho que é uma doença – é o começo de algo bom; especialmente porque os remédios não proporcionam consolo, mas investigar os teus próprios pensamentos e observar-te seriamente, isso sim.

Ser capaz de permanecer no estado de meditação é a cura maior- espiritual e fisicamente – que pode acontecer com uma pessoa. Isso é natureza. Assim como a relva e as árvores, tu não sofres dos pensamentos quando estás nesse estado.

Para entrar nesse estado, treinar a tua atenção é o primeiro passo. Basta fazer o que tu sempre fazes na tua vida – não mudas nada – mas, a partir de agora, fazes isso com atenção.

Desligue a teu celular. Existe um botão! E planejes fazer uma coisa de cada vez.

Se andar, andas.

Se estás no trem, estás no trem.

Não fazes nada além de estar consciente do teu corpo, da tua respiração e o teu ambiente.

Comece com cinco minutos por dia. Seja calma. Sem pressa. Aposto que depois de uma semana já vês o mundo de maneira diferente. E que, depois daquela primeira semana, esses cinco preciosos minutos cresceram em dez minutos por dia.

Deixe-me saber a tua experiência com isso.

Próxima Satsang: domingo 11 de novembro às 10: 00h na minha quinta.

Eu te convido

ian-espinosa-742628-unsplash
Photo by Ian Espinosa on Unsplash

[English] [Dutch]

Ainda me lembro bem, a primeira vez que a pergunta “o que estou fazendo aqui?” apareceu. Eu tinha cinco anos, morava na Sicília. O Etna retumbou e cuspiu fogo. Eu acabei de estar à beira da morte por tifo. Naquela noite, no terraço, senti e ouvi o estrondo do vulcão e vi os fogos de artifício. O céu estrelado estava lá como sempre.

A minha mãe e a minha irmã mais velha também estavam lá e, no entanto, me senti como uma alienígena.

“O que estou fazendo aqui?” “O que é tudo isso?” Essas perguntas brincavam na minha cabeça e isso era o começo dum caminho longo cheio de solavancos, pedras, montanhas e vales. Muitas contusões, arranhões e feridas e o cenho franzido na testa se transformou numa ruga vertical permanente entre as minhas sobrancelhas.

Estudar livros grossos, aprofundar-me nas filosofias ocidentais e orientais, ensinar ioga e meditação trouxe algumas respostas, mas pouco para ser mais sábio. Celebrando e vivendo a vida, mergulhando nas profundezas, assumindo riscos com o adágio: vamos ver onde isso vai trazer-me, isso sim deu resultado. E, no entanto, a busca por uma saúde ótima e longevidade continua.

Foi assim que acabei nas filosofias chinesas. Confucionismo e taoísmo. Os livros sozinhos nunca me levaram mais longe, mas a aplicação e prática na vida real da ciência que está nesses livros, isso sim. Yoga ainda é uma media importante para mim e agora eu também pratico Wudang (chinês) yoga e Tai Chi Chuan.

Um mundo totalmente novo está se abrindo para mim. Eu gostaria de compartilhar esse mundo contigo, para que a tua vida diária também se torne mais leve.

É por isso que organizo um Retiro de Wudang Taijiquan de cinco dias. Juntamente com Eduardo Salvador e o professor de Taiji Rene Goris, de Amsterdão, quem nos treinará nesses dias.

Guesthouse Trainspot é o nosso alojamento durante o Retiro. Trainspot está localizado no restaurante / guesthouse antigo da estação abandonada Marvão-Beirã. As faixas são silenciosas e nos mostram um caminho. Marvão está localizado no meio do Parque Natural da Serra de São Mamede, na fronteira com a Espanha. Food & Beverage são fornecidos pela Trainspot e são adaptados ao programa e aos desejos dos participantes.

A língua de ensino será o inglês, com tradução para o português. Os dias estão cheios de meditação, treinamento e passar tempo na natureza, palestras sobre as filosofias subjacentes, comer, descansar e também dormir. Há tempo para acupunctura e massagens.

Tu também podes fazer todas as perguntas que estão na tua cabeça.

Se tu vens do exterior, há uma transferência do Aeroporto de Lisboa para Marvão. Para tornar a retiro o mais fácil possível para ti, o preço é all-inclusive. Só precisas comprar o teu próprio bilhete de avião. Assim podes concentrar-te 100% em ti mesmo. Cinco dias. O site dos Retiros no Alentejo oferece a informação e a possibilidade de te registar.